quarta-feira, 18 de Janeiro de 2012 11:58h André Bernardes

Álcool e gasolina em Divinópolis mantêm o preço, porém o diesel sofre aumento

Em algumas cidades do Brasil o álcool e a gasolina tiveram um aumento. Em Belo Horizonte, comparado com janeiro de 2011, houve um aumento de 10% no valor da gasolina e 16% para o etanol. Em Divinópolis os preços se mantêm e em alguns postos houve até redução no preço.
Um site especializado em comparação de preços pesquisou em seis capitais Brasileiras o preço do combustível. As capitais pesquisadas foram  Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Salvador, e Vitória. A capital mineira ficou em quarto lugar que pratica o preço maior nos combustíveis. Os moradores de São Paulo hoje pagam R$2,65 pela gasolina, enquanto os mineiros pagam R$2,76 em média. O álcool em São paulo  é mais barato, sendo vendido a R$1,89.
A alta dos combustíveis na capital superou até o índice da inflação que fechou o ano em 6,5% e a variação do preço da gasolina foi de 10% e do etanol 16%. Dados da Agência Nacional de Petróleo (ANP) mostram ainda que, nos últimos cinco anos, o preço médio da gasolina em Belo Horizonte subiu 16%, de R$2,369 em janeiro de 2008 para R$ 2,764 na semana passada. Com o etanol, a alta acumulada no mesmo período foi de 37%. A média de preços passou de R$ 1,589 no início de 2008 para R$ 2,188 neste mês. Em alguns pontos da capital, o preço da gasolina chega a R$3.
Em Divinópolis o preço do combustível mantém estável. Segundo Leopoldo Marques Pinto, representante da Minas Petro em Divinópolis, contou que no município não houve grandes avariações no preço. “Que eu tenho observado não houve nenhuma diferenciação. O que aconteceu no meu posto foi questão de estratégia, que foi uma redução no preço da gasolina. Mas em nível de companhia não tenho observado nem aumento nem redução” contou. Leopoldo explicou que houve aumento no preço do óleo diesel referente a aumento na carga tributária. “O que houve foi um aumento no óleo diesel no dia 31 de dezembro em função de carga tributária. Subiu quase 4%. Quem dita os preços são as grandes companhias” contou. Leopoldo ainda contou que o mês de janeiro, os postos urbanos sofrem uma queda nos atendimentos devido as férias, mas que há um aumento nos postos de estrada. ´”Não tem previsão de aumento de preço. Nada foi passado ainda” afirmou Leopoldo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.