quarta-feira, 5 de Setembro de 2012 13:03h Daniel Michelini

Alta no preço da batata preocupa consumidores

Frutas, legumes e verduras são alimentos essenciais para o bem viver do ser humano. Porém, colocar diversificadas opções na mesa vem se transformando em uma grande dor de cabeça para o consumidor.

Frutas, legumes e verduras são alimentos essenciais para o bem viver do ser humano. Porém, colocar diversificadas opções na mesa vem se transformando em uma grande dor de cabeça para o consumidor. Motivo: a disparada nos preços, principalmente a batata.

 


A alta no preço do produto ocorreu não só em redes de supermercados, mas também na Ceasa Minas, onde o quilo no atacado subiu 30% entre julho e agosto, de R$ 0,61 para R$ 0,79. A alta da batata foi um dos principais motivos da variação de 0,44% do Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S). O indicador marcou em agosto o dobro do publicado em julho, que foi de 0,22%.

 


No ano, a alta é de 3,52%. Em 12 meses, o aumento é de 5,69%. O produto foi o segundo item do IPC-S com maior influência positiva no fim do mês de agosto, atingindo 14,95%. Ficou atrás apenas do tomate (17,18%). No entanto, o IPC-S mostra que a alta no preço do tomate está perdendo força, ao contrário da batata.
Segundo Marcos Ramalho, responsável pelo setor de vendas de um supermercado da região, ao contrário do que era esperado, a alta nos preços não tem influenciado radicalmente na venda dos produtos: “Como são alimentos que sempre tiveram um bom número de vendas, não percebemos nada além do normal. É inevitável que as pessoas comprem em menor quantidade, mas as vendas continuam grandes”, afirmou.

 


Segundo Marcos, o que pode prejudicar o consumidor é justamente essa repentina disparada nos preços, já que, em duas semanas, o preço praticamente dobrou: “Não sabemos se a tendência é aumentar mais, mas acredito que essa constante subida de preço em pouco espaço de tempo afastou um pouco o consumidor. A batata continua vendendo bastante, já que seu preço nunca foi tão alto”, ressalta.

 


No entanto, a dona de casa Márcia Menezes tem uma opinião contrária. De acordo com a consumidora, o alto preço vai pesar e muito no bolso dos compradores: “Quem costuma comprar em grandes quantidades tende a sofrer mais com essa alta”.

 


Sobre outros frutos, como o tomate, que já esteve em alta, o preço vem caindo, o que obviamente facilita a compra pelo consumidor: “Em determinada época, o tomate teve uma alta enorme no preço, o que prejudicou e muito as vendas. Devido a isso, o preço caiu quase que pela metade nas últimas semanas, voltando à normalidade das vendas”, finalizou Marcos.

 

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.