sexta-feira, 29 de Julho de 2016 12:54h Atualizado em 29 de Julho de 2016 às 12:56h. Pollyanna Martins

Alunos reclamam das péssimas condições da área de exame de direção

Os buracos nas ruas e o mato alto dos lotes interferem no desenvolvimento do aluno e até no resultado do exame

POR POLLYANNA MARTINS

pollyanna.martins@gazetaoeste.com.br

 

Alunos e instrutores de autoescolas de Divinópolis reclamaram das péssimas condições que se encontram a área de exame de direção da cidade. As ruas Petrópolis, Pratápolis, Olinda e Resplendor, no bairro Liberdade, compõem a área de exame e são utilizadas diariamente pelos alunos. Tomadas por buracos e mato alto dos lotes vagos, as péssimas condições em que se encontram interferem diretamente no desenvolvimento do aluno. O instrutor de autoescola, Rafael Ferreira Fonseca da Silva, garante que as condições das vias prejudicam a evolução do aluno e, principalmente, na hora do tão temido exame de direção. “Às vezes o aluno vai desviar do buraco e acaba dando um movimento irregular do carro e, infelizmente, o examinador não tem meio termo”, reclama.

 

 

Conforme o Departamento Estadual de Trânsito de Minas Gerais (DETRAN/MH), mais de 63% dos candidatos a tirarem a carteira de habilitação na categoria B são reprovados em Divinópolis. Segundo o departamento, de janeiro a junho deste ano, 2709 alunos realizaram o exame de direção, mas apenas 981 foram aprovados. A vendedora, Juliana da Silva Alves, está na segunda tentativa para tirar a carteira de habilitação. A aluna diz que os buracos nas ruas a deixam apreensiva durante as aulas e também na hora de fazer o exame. “É muito mato, muito buraco e atrapalha na hora de aprender a dirigir. A gente não consegue ver o meio-fio por causa dos matos, principalmente na hora da ré. Eu já fiz um exame e fui reprovada por não estar enxergando o meio-fio”, conta.

 

 

O principal problema está nas ruas Resplendor e Petrópolis, dois buracos grandes tomaram conta da esquina das ruas. Os buracos afundam e se abrem mais a cada dia. O instrutor reclama que, como são dois buracos seguidos, o aluno fica inseguro sobre qual atitude tomar na hora do exame de direção. “O aluno acaba desviando, que é o certo, mas é pedido que passe em cima do buraco devagar, e isso caracteriza o movimento irregular”, explica. Outro buraco que atormenta alunos e instrutores está na Rua Petrópolis. Ao sair da Rua Pratápolis, o aluno deve ter a atenção redobrada, pois outro buraco está aberto, e moradores da região precisam jogar terra para minimizar o problema. “Aquele buraco é tampado direto. O pessoal joga uma terra, mas não adianta, como toda hora passa carro, é preciso que a Prefeitura feche o buraco com asfalto”, ressalta.

 

 

SOLICITAÇÃO DE MELHORIAS

O instrutor Maurício Rodrigues conta que a área de exame de direção está abandonada há meses, e até ofícios solicitando manutenção nas ruas já foram encaminhados para os vereadores da cidade, mas a situação piora a cada dia. “O aluno normalmente zela pelo carro também. Então, pode o aluno perder o controle do carro se ele passar pelo buraco, ou desviar do buraco e se esquecer de sinalizar, ou ainda esquecer-se de olhar o retrovisor. Nós já fizemos alguns pedidos, já conversamos com vereadores, mas até hoje nada foi feito”, lamenta. A vendedora Ana Nunes está fazendo as aulas práticas e se prepara para o seu segundo exame. A aluna ironiza sobre a situação das ruas da área de exame de direção. “O bom é que a gente já aprende a dirigir com a realidade das ruas de Divinópolis, que estão cheias de buracos. Tanto faz se o examinador mandar ir para o lado direito ou esquerdo da área de exame, nós vamos cair em algum buraco”, pontua.

 

 

PREFEITURA

A Prefeitura informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que irá incluir a área de exame de direção no cronograma da “Operação Tapa Buracos”. Quanto ao mato alto, a assessoria disse que é necessário que os usuários façam uma denúncia, para que os donos dos lotes sejam notificados.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.