quinta-feira, 17 de Março de 2016 10:00h Atualizado em 17 de Março de 2016 às 10:13h. Pollyanna Martins

Ambulatório para atendimento neurológico a recém-nascidos será implantado no CEM

O atendimento começará no segundo semestre desse ano como forma preventiva. A partir de março de 2017, o ambulatório contará com uma equipe fixa

O Centro de Especialidades Médicas (CEM) implantará no segundo semestre deste ano um ambulatório para atendimento a recém-nascidos que necessitam de cuidados neurológicos. O ambulatório será criado em uma parceria entre a Universidade Federal de São João Del-Rei e a Prefeitura de Divinópolis, por meio da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis. De acordo com o secretário municipal de saúde, David Maia, o projeto terá uma linha de cuidados neonatais pós-parto na demanda em que a APAE não conseguir absorver, uma vez que a associação faz cerca de 450 atendimentos por mês. A triagem dos bebês será feita na maternidade do Hospital São João de Deus (HSJD), e caso a criança esteja dentro do protocolo, que será desenvolvido para a linha de cuidados do CEM, o paciente será encaminhado para o centro de especialidades.

 

 


Ainda segundo David, a criação do ambulatório é voltada também para o atendimento de crianças que nasçam com microcefalia, em decorrência do Zika Vírus. O secretário afirmou que a iniciativa não está relacionada aos quatro casos de Zika Vírus que estão sendo investigados no município. “Nós estamos nos preparando para algo que não temos ainda, porque não temos nenhum caso de microcefalia por causa do Zika Vírus registrado na cidade, mas não podemos esperar acontecer para estarmos prontos”, ressalta.

 

 


O acompanhamento aos recém-nascidos será feito sob a coordenação do professor da UFSJ, Dr. Júlio César Veloso, e contará com uma equipe multiprofissional, formada por fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, psicólogo, nutricionista e enfermeiro, além dos alunos do curso de Medicina da UFSJ – Campus Dona Lindu. O atendimento começará no segundo semestre deste ano como forma preventiva, e definitivamente em março de 2017. “Se começarem casos decorrentes da Zika, ou de outras questões que nós não estamos acostumados na nossa rotina, nós já estamos prontos para começar o atendimento médico. Esse ano é contingencial, se for necessário, terá o atendimento, mas, de toda forma, o projeto começa em março, tendo ou não tendo paciente”, informa.

 

 


A Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) fornecerá toda a estrutura necessária e os profissionais neste ano, a partir de março, o Ministério da Educação (MEC) custeará os profissionais com uma residência multiprofissional. “A partir de março do ano que vem, a UFSJ iniciará uma residência multiprofissional neonatal. Eles estão cadastrando em um programa no MEC médico, enfermeiro, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo e nutricionista, porque, a partir de março, quem dará continuidade aos tratamentos são esses médicos residentes”, explica.

 

 


INVESTIMENTO
O projeto terá um investimento do Ministério da Educação e da Secretaria Municipal de Saúde. Conforme David, o Ministério investirá R$ 30 mil por mês, e a Semusa R$ 40 mil. “A estrutura é a mesma que a população já conhece, será incluída então essa linha de cuidados”, reforça. Atualmente, todas as crianças que necessitam de atendimento neurológico são encaminhadas para a APAE. O secretário frisa que, com a criação do ambulatório, o protocolo de atendimento será ampliado. “Nós estaremos prontos para tratar mais pacientes a partir de agora, dentro do Centro de Especialidades Médicas, nós vamos começar a dividir o atendimento da APAE com o CEM”, conclui.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.