sexta-feira, 20 de Novembro de 2015 09:12h Atualizado em 20 de Novembro de 2015 às 09:13h. Mariana Gonçalves

Amigos se unem para implantar em Divinópolis a “Geladeira Solidária”

Na Rua Goiás esquina com a Rua Bahia, bem no centro de Divinópolis, foi colocada uma simpática geladeira, entre um espaço de uma vitrine de loja

Ao contrário do que estamos acostumados a ver em vitrines (produtos para venda), essa geladeira não está exposta por motivos de comercialização, o refrigerador tem um propósito social, que irá beneficiar várias pessoas. O projeto, idealizado por um grupo de amigos, o qual o empresário Marcelo Duarte faz parte, implantou na cidade a primeira “Geladeira Solidária”. A ação funciona da seguinte maneira, todas as pessoas que quiserem ser solidárias à causa podem ir até o endereço mencionado acima, levando para a geladeira a sua contribuição, com aqueles alimentos que irão matar a fome ou a sede de quem precisa. “Por exemplo, tenho em casa frutas, que não estejam estragadas, posso vir aqui e colocar na geladeira. Levei um salgado, um bolo ou qualquer outro lanche para o trabalho, e daí sobrou, ou então eu não comi, posso passar na geladeira e deixar lá. Temos algumas normas, visando o cuidado com a saúde, estamos em parceria com uma nutricionista, que está nos auxiliando, mas à medida que tudo for fluindo bem, vamos buscar parcerias com lanchonetes e restaurantes, sempre no intuito de captar o alimento que ainda está apto para uso, para fornecer a quem precisa”, destaca Marcelo.

 

 

DE OLHO NAS REGRAS...

Todos os alimentos deixados na geladeira devem estar embalados e com a data de validade à mostra. Não serão permitidos carnes cruas, peixes, ovos, bebidas alcoólicas, produtos fora da data de validade e que não estejam acondicionados adequadamente.
Para Marcelo, a Geladeira Solidária não é dele e nem dos amigos, é um bem de Divinópolis. “Precisamos do amor das pessoas, queremos que as informações sobre a geladeira se espalhem para que, principalmente, as pessoas que precisam possam contar com isso. Sabemos que têm moradores de rua que não têm o que comer, tem pessoas que vêm de outras cidades acompanhar alguém que precisa fazer um exame, por exemplo, e devido às condições, esse acompanhante passa todo o dia sem se alimentar, então o que queremos é que a sociedade abrace essa ideia, e que a geladeira sirva realmente para atender a essas pessoas, que, naquele momento, sintam fome e, teoricamente, não têm condições para pagar o seu alimento”, afirma o empresário.

 

 

FAZER O BEM

Segundo contou o empresário à nossa reportagem, essa iniciativa solidária é também uma forma de provar para a sociedade que ações deste tipo podem dar certo, se levadas com amor e persistência. “Um dos nossos desafios são, até mesmo, os questionamentos da ideia em si, por exemplo, uma pessoa vai lá na geladeira e se alimenta, mas, na verdade, essa pessoa tem condição de se alimentar pagando, outra situação é da pessoa pegar várias coisas para levar para casa, ou então estragar a geladeira de propósito. Bom, essas questões vão da consciência do ser humano, o que nós queremos, e precisamos, é passar essa mensagem de que queremos e precisamos acreditar mais nas pessoas”, finaliza Marcelo.

 

 

Créditos: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.