terça-feira, 15 de Março de 2016 09:27h Pollyanna Martins

Andarilhos montam acampamento às margens do Rio Itapecerica e assustam moradores

Dois homens foram flagrados pela nossa reportagem na manhã de ontem. É possível ver no local: colchão, panelas e um fogão improvisado

Andarilhos montaram um acampamento às margens do Rio Itapecerica, no bairro Porto Velho, em Divinópolis. A moradia improvisada fica próxima à ponte que liga os bairros Porto Velho e Esplanada e, mesmo escondidos na mata, é possível ver colchões, panelas, e um fogão improvisado. Nossa reportagem esteve no local ontem, e flagrou dois homens. Um deles acendia o fogão improvisado e outro estava deitado em um colchão.

 


De acordo com uma moradora, que preferiu não se identificar, no “acampamento” ficam várias pessoas. A idosa mora na rua há 44 anos e conta que o problema é recorrente. Apesar de os andarilhos não intimidarem os moradores, o medo e a insegurança existem. “Aqui sempre foi assim. Agora eles estão ali, mas teve gente debaixo do viaduto, em outros pontos da beirada do rio. Eles nunca mexeram comigo, mas, mesmo assim, eu tenho medo”, afirma. A moradora lembra ainda que já foi surpreendida pelo número de andarilhos que já “acampou” na área. “Na semana passada, eu saí, e voltei para casa pelo viaduto, e de lá dá para vê-los melhor, eu fiquei assustada com o tanto de gente que estava lá [no acampamento], e lá tem de tudo: colchão, panela, copo, fogão”, conta.

 

 


Ainda segundo a moradora, os andarilhos batem em sua porta todos os dias para pedir comida, água, entre outros itens. A idosa conta que eles exigem água gelada, e que esteja em garrafa pet de dois litros para distribuir para os outros andarilhos que ficam nas margens do rio. “Eles batem aqui em casa todos os dias. Eu sempre dou o que eles pedem, o meu marido fala para eu não dar, mas fico com medo de negar e eles perseguirem a gente”, justifica. A idosa ressalta ainda que o seu medo é dos usuários de drogas, que também ficam no local. O receio é que algo pior possa acontecer. “Alguns ficam usando drogas aqui, por mais que eles não mexam com a gente, tenho medo de algo pior acontecer, porque a gente sabe que drogados são capazes de tudo. Eu tenho medo de entrar e sair de casa” complementa.

 


PREFEITURA
A Prefeitura de Divinópolis informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que os moradores já foram abordados várias vezes e até levados para o acolhimento institucional para pessoas em situação de rua três vezes, mas voltaram para as ruas. Em nota, a assessoria informou que os andarilhos voltaram para as ruas porque “não aderiram ao serviço por dificuldades em cumprir as regras e horários estabelecidos”.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.