sexta-feira, 12 de Junho de 2015 12:03h Atualizado em 12 de Junho de 2015 às 12:13h. Pollyanna Martins

Antigo Pronto Socorro será transformado em Centro de Especialidades

Secretaria Municipal de Saúde e UFSJ firmaram parceria para transformar o espaço, que antes seria o Centro de Hiperdia

O secretário municipal de Saúde, David Maia, anunciou nesta quarta-feira que o antigo Pronto Socorro de Divinópolis será transformado em um Centro de Especialidades. A informação foi dada com exclusividade à Gazeta do Oeste no campus Dona Lindu da Universidade Federal São João Del-Rei (UFSJ), que será parceira da Secretaria Municipal de Saúde neste projeto.
Foi anunciado no dia 6 de abril que, no local, passaria a funcionar o Centro de Hiperdia. Porém, o secretário esclareceu que a transformação do local – que também já foi a Unidade II do Hospital São João de Deus (HSJD) –em um Centro de Especialidades fará parte do programa “Mais Especialidades”, da Secretaria Estadual de Saúde (SES). “O Centro de Hiperdia vai funcionar dentro do contexto do Centro de Especialidades. Nós fizemos uma parceria com a UFSJ. Então nós vamos pegar as potencialidades da Universidade e as potencialidades do município. A Secretaria vai disponibilizar os técnicos de enfermagem, que a Universidade não tem, e a Universidade vai disponibilizar os médicos especialistas que nós não temos”, explica.
De acordo com o secretário, o Centro deve começar a receber os pacientes do SUS em agosto. Inicialmente, estão definidas dez especialidades médicas: endocrinologista, infectologia, nefrologia, reumatologia, otorrinolaringologista, cardiologia, ginecologia, urologista, pneumologia e cirurgia ambulatorial. “Serão três espaços de atendimento, será um especialista coordenando três salas. Nós vamos ter três grupos, no que a gente chama de campo de prática. Temos os profissionais especializados, temos os médicos residentes, que estão em pleno caminho da sua especialidade, temos os médicos que estão no último ano de prática do curso, que já receberam toda a carga teórica”, detalha.
O secretário reforça ainda que o campo de prática dos médicos é descentralizado. Com o Centro, além de aumentar o número de especialidades oferecidas pelo município, será possível reunir todas em um só local. “A maioria desses atendimentos nós não tínhamos um atendimento adequado, não tínhamos um volume adequado, sem um agendamento adequado”, frisa. Conforme David, o paciente será atendido no Centro de Especialidades através da sua Unidade de Saúde. O secretário reforça que o Centro dará vazão às demandas das unidades de saúde. “A unidade de saúde identificou um hipertenso que precisa ser controlado, aí o paciente vai ser encaminhado para o Centro, o médico vai fazer o suporte, a avaliação, o acompanhamento, o controle e só depois disso ele volta para a atenção primária.”

 

INVESTIMENTO
A Secretaria Municipal de Saúde e a Universidade investiram juntas no local cerca de R$ 150 mil. O diretor do campus, Eduardo Sérgio Silva, informou que a Universidade tem recursos para investir no Centro e, em consequência disto, o sistema de saúde ganhará com a criação do local. “A Universidade tem o recurso para investir na formação dos alunos, então vamos fazer dentro da cidade uma estrutura, porque o aluno é formado para a rede”, enfatiza.
O diretor contou ainda que a Universidade estava negociando um espaço com o HSJD desde o ano passado, porém os custos seriam maiores. Segundo Eduardo, ao fazer a parceria com o município, foi levada em consideração a localização e a demanda de pacientes. “O antigo Pronto Socorro foi feito para a saúde, é central, todos os pacientes são do SUS e a gente não pode perder o espaço.”
Conforme David, o investimento foi dividido em reforma do local e materiais hospitalares. O secretário informou que tanto a Semusa quanto a Universidade já tinham materiais novos, que estavam guardados esperando apenas a oportunidade de serem usados. “Nós vamos pegar muita coisa que nós já temos. A Universidade tem equipamentos novos guardados, que vão ser destinados para o Centro. A Semusa tem macas de primeira qualidade que estavam guardadas no local”, conta.

 

TEMPO DE ESPERA
Uma realidade dura que os pacientes enfrentam hoje no SUS é o tempo de espera por uma consulta com um especialista. A demora no atendimento pode ser mais de dois meses. Com a criação do Centro de Espacialidades, o secretário acredita que o tempo de espera por consultas deve diminuir. “O tempo de espera por uma consulta deve diminuir. Isso não quer dizer que nós vamos resolver o problema, porque o sistema é muito complexo e a demanda é muito grande”, avalia.

 

PROJETOS FUTUROS
Outro projeto que está previsto para o Centro de Especialidades é a transferência do Centro de Reabilitação Regional (Crer) para o local. O secretário não definiu data, mas garantiu que a mudança será feita “em um futuro muito próximo”. “O centro de fisioterapia será transferido para integrar o Centro de Especialidades, e o Crer tem um trabalho belíssimo, que funciona. Nós vamos integrá-lo na formação dos profissionais de saúde. Nós vamos terminar o Centro de Especialidades para depois fazer a transição”, revela.

 

Crédito: Rodrigo Dias

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.