quinta-feira, 19 de Março de 2015 11:30h Atualizado em 19 de Março de 2015 às 11:34h. Jotha Lee

Antigo Restaurante Popular vira ponto de sexo e de uso e tráfico de drogas

Prefeitura informa que está estudando qual destinação será dada ao imóvel

Fechado há nove meses para contenção de despesas, o prédio onde funcionou o Restaurante Popular continua abandonado. No dia 27 de junho do ano passado, o restaurante atendeu pela última vez e na ocasião chamou a atenção a tentativa do governo municipal em mascarar a decisão, com informações desencontradas de secretários e assessores, na tentativa de impedir que a notícia do fechamento definitivo chegasse de imediato ao público.
Inaugurado em 20 de junho de 2008, o Restaurante Popular foi fruto de um convênio do município e o Ministério do Desenvolvimento Social. Para viabilizar o empreendimento a Prefeitura, na gestão do ex-prefeito, Demetrius Pereira (PT), adquiriu o terreno no valor de R$ 450 mil para a construção do restaurante e sua conclusão foi concretizada mediante o repasse de recursos da União da ordem de R$ 1,7 milhão, verba também utilizada na aquisição de equipamentos, móveis e utensílios. O investimento total foi de R$ 2,5 milhões, envolvendo contrapartida do município no valor de R$ 750 mil. O restaurante iniciou suas atividades servindo duas mil refeições diárias ao preço de R$ 1.

 

jSEM EXPLICAÇÕES
O fechamento do Restaurante ocorreu sem uma comunicação prévia e na véspera, durante um evento público, o secretário municipal de Desenvolvimento Social, Paulo Sérgio dos Prazeres, foi surpreendido ao ser questionado pela reportagem do Gazeta do Oeste que o interrogou sobre o assunto. Ele não conseguiu dar explicações claras e falou em “reforma”. O secretário não conseguiu explicar a decisão e ainda mostrou desconhecimento de toda a situação. “Vai ser fechado para adequação”, disse ele, na típica resposta pronta de quem não está preparado para dar uma explicação.
“Passaremos a trabalhar o estudo da reforma e adequação do Restaurante Popular, aí a Usina de Projetos entra e avalia com sua equipe e a gente retoma a partir do momento que o projeto estiver consolidado”, disse Paulo Sérgio na mesma entrevista.
Em julho do ano passado, o secretário de Governo, Honor Caldas de Faria, concedeu entrevista ao Gazeta do Oeste e pela primeira vez uma autoridade do alto escalão da administração admitiu que o fechamento do Restaurante Popular era definitivo. Na ocasião, Caldas garantiu que o imóvel teria novo destino. “Claro que aquilo será aproveitado. É um equipamento público que vai ser aproveitado em benefício da população. Não tem ainda um direcionamento de governo para aquela estrutura, mas ela será evidentemente bem aproveitada e para o governo será de fundamental importância”, disse.

 

SEXO E DROGAS
Nove meses depois de fechado, o prédio do antigo Restaurante Popular está praticamente abandonado e serve para guardar algumas peças sem utilidade. Chama atenção um guichê de venda de passagens de ônibus que foi colocado na entrada do refeitório. Nos arredores e na área externa, a situação fica mais grave. Na manhã de segunda-feira a reportagem do Gazeta do Oeste esteve no local e constatou que o imóvel já está sendo utilizado por usuários e traficantes de drogas. Além disso, pessoas com veículos sem nenhuma identificação usam o local como estacionamento e o mais grave é o sexo explícito que ocorre até à luz do dia.
Pouco depois das 10h, a reportagem flagrou um casal de jovens, que estava na área fechada do restaurante. A dupla tinha até um colchão de casal, que foi colocado do lado de dentro do gradil de proteção da entrada principal do imóvel. O acesso ao gradil estava sem trancas e o casal praticava sexo sem nenhum constrangimento com as pessoas que passavam pela região, protegido por colchas de retalho. Ao notar a presença da reportagem, a dupla mostrou apenas surpresa, sem constrangimento ou agressividade. “Não me fotografa não que eu sou menor e minha mãe não sabe que eu estou aqui”, foi o que disse a menina, ainda completamente nua. Ela vestiu-se imediatamente com um vestido azul e o rapaz colocou uma bermuda vermelha e uma camisa de malha preta.
A dupla conversou por um tempo com a reportagem. Visivelmente ainda sob efeito de alguma droga, o rapaz disse ter 22 anos e contou que o uso de drogas no local já é comum. Além do casal, a reportagem notou outros cinco rapazes que andavam pelo entorno. “A noite vem mais gente aqui. Vem muito ‘bacana’ comprar droga e até tem uns que vem oferecer dinheiro para transar com a gente”, contou o rapaz. “Tem umas menina que vem fumar e cheirar, mas não tem bagunça não. É tudo no silêncio para não chamar a atenção”, acrescentou.
O rapaz diz que tem família, mas prefere ficar ali. “A gente [aponta para a garota] veio aqui primeiro, depois veio mais gente. A noite, de madrugada, fica muita gente e quando amanhece a turma ‘vaza’. Muita gente transa ali atrás [aponta para uma área atrás ao lado do restaurante, onde o capim já está bem crescido] tem homem com homem, homem com mulher, tem de tudo”. “Dentro do restaurante a gente entra pra lavar roupa, mas só de madrugada, ninguém fica lá dentro”, revelou o jovem.
O rapaz pediu para ver as fotos e depois disse que ia arranjar comida. “Fica tranquilo, bom trabalho”, disse o jovem à reportagem e saiu sem se preocupar mais com a presença jornalística. A garota ficou no local e disse que ia esperar o namorado. E o colchão de casal e os agasalhos? “Fica tudo aqui, ninguém mexe, mas a gente também fica ligado”. “Não coloca minha foto não, hein?”, pediu ao fim da conversa.
Ontem a Diretoria de Comunicação da Prefeitura informou que a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social já tem conhecimento da presença de usuários de drogas no local. Disse que eles ficam somente do lado externo e que o interior do imóvel está totalmente preservado. Disse também que assistentes sociais já estão fazendo a abordagem das pessoas, para encaminhá-las para um centro de convivência, ou buscar uma solução adequada. A Diretoria de Comunicação reafirmou a informação prestada em julho do ano passado, de que o imóvel terá uma destinação que ainda não está definida. “A Prefeitura ainda está estudando qual o destino vai ser dado ao prédio e em breve vai comunicar a decisão”, informou.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.