quinta-feira, 26 de Fevereiro de 2015 09:58h Atualizado em 26 de Fevereiro de 2015 às 10:06h. Jotha Lee

Atraso na adequação do aeroporto provoca quarto adiamento no início dos voos comerciais

Previsão de início das operações, já marcado até para novembro passado, passou para maio

O início das operações da linha aérea comercial ligando Divinópolis a Capinas (SP) sofreu o quarto adiamento em três meses. A previsão inicial para o início dos voos comerciais feita pela Prefeitura foi para 6 de novembro do ano passado. Entretanto, como o município não conseguiu adequar o aeroporto às exigências da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) dentro do prazo, ocorreu o primeiro adiamento.
Em entrevista no início de dezembro de 2014, o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo César dos Santos, garantiu que a ligação aérea seria efetivada até o final do mês. Mais uma vez a previsão não se concretizou e, sem aprovação da Anac, motivada pela falta da estrutura exigida no aeroporto, a Azul Linhas Aéreas, companhia que vai operar a ligação, adiou pela segunda vez o início das atividades, fixando a data de 2 de fevereiro.
Mais uma vez a previsão foi por terra, pois o município, embora tenha realizado algumas obras exigidas pela Anac, não conseguiu concluir toda a infraestrutura determinada pela Agência, ocorrendo o terceiro adiamento, sendo fixada a data de 2 de abril. A pouco mais de um mês da data prevista, a companhia aérea foi obrigada a adiar, pela quarta vez, o início dos voos comerciais entre Divinópolis e Campinas.
A nova data estipulada pela Azul é 4 de maio e, de acordo com a assessoria de imprensa da empresa, a decisão foi motivada pelo atraso na adequação da base. Em uma nota curta encaminhada à redação da Gazeta do Oeste, a Azul disse que “aguarda a adequação do aeroporto de Divinópolis para iniciar as operações.”

 

MISTÉRIO
A Azul Linhas Aéreas evitou entrar em maiores detalhes sobre os problemas e o mistério feito pelo município sobre os reais motivos que continuam atrasando o início efetivo das operações. A companhia também não quis comentar sobre a possibilidade de desistência da linha. “A companhia pretende ligar a cidade mineira ao aeroporto de Viracopos, em Campinas e a data de início dos voos está prevista para 4 de maio de 2015”, disse através da nota enviada à Gazeta do Oeste pela assessoria de imprensa.
Em nota, enviada no final da tarde de ontem, “a Prefeitura de Divinópolis informa que não recebeu nenhum comunicado oficial da Azul Linhas Aéreas sobre o adiamento da Operação dos voos da empresa na cidade”.
A Socicam Administração, Projetos e Representações, empresa vencedora da licitação para administrar o aeroporto e fazer o controle do tráfego aéreo, não informou quando terá sua estrutura montada para iniciar as atividades. A licitação foi concluída no dia 12 de janeiro e, inicialmente, a previsão da empresa era de 45 dias para toda a montagem de equipamentos e instalação da sala de controle. Ontem, a assessoria de imprensa da Socicam prometeu enviar ainda hoje um relatório sobre a conclusão de suas instalações.
O atraso na realização do processo licitatório para escolha da administradora do aeroporto sem dúvida é um dos fatores que continuam emperrando e provocando adiamentos dos voos comerciais até Campinas. Inicialmente previsto para 1º de dezembro do ano passado, o processo licitatório foi adiado para o dia 3 do mesmo mês. Entretanto, em função de um recurso apresentado por uma das empresas concorrentes, a baiana Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico (Sinart), o processo foi suspenso e adiado para o dia 19 seguinte.
A Sinart venceu a concorrência pelo valor mais baixo, porém, não atendeu aos requisitos do edital licitatório, entrando com novo recurso e adiando ainda mais o processo. A empresa não conseguiu sanar as falhas de sua proposta e a Socicam, segunda colocada, foi habilitada e o processo licitatório só foi concluído no dia 12 de janeiro, 40 dias depois de iniciado.
A Socicam receberá no primeiro ano R$ 166.500,10 mensais para a prestação de serviços de administração, operação e manutenção do aeroporto, além da implantação da Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicações e Tráfego Aéreo (Epta). A Estação fará o controle de tráfego aéreo, de telecomunicações aeronáuticas, de meteorologia e informações aeronáuticas, além de disponibilizar uma rede de auxílios à navegação aérea.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.