sábado, 20 de Outubro de 2012 09:56h Erik Ulysses

Aula prática de Defesa Pessoal Militar encerra curso de reciclagem da Polícia Militar

Durante toda a semana a Polícia Militar realizou um curso de reciclagem com militares de Divinópolis. Essa foi a sétima turma de 2012 do curso que ocorre a cada dois anos. Na manhã de ontem foi realizada uma aula prática de Defesa Pessoal Militar, ministrada pelo tenente Alves nas dependências do 23º BPM.

 


O tenente Alves contou que além do curso de reciclagem que ocorre a cada dois anos, os policiais passam por treinamentos constantes para o aprimoramento de suas técnicas, podendo assim auxiliar da melhor forma a sociedade. “Essa semana está acontecendo mais uma semana de treinamento. E esse treinamento acontece uma vez a cada dois anos. Contudo, é valido lembrar que nós temos os treinamentos semanais. Então, o policial militar está passando por essa reciclagem de dois em dois anos, contudo, todas as semanas têm um treinamento específico. Seja um treinamento sobre uma legislação, seja um treinamento sobre defesa pessoal que acontece de 15 em 15 dias, treinamentos de tiro, treinamentos de técnica policial. Então toda semana acontece um desses tipos de treinamento. A Polícia Militar de Minas Gerais é uma polícia que investe muito em treinamento, para que cada dia mais o policial possa se tornar um profissional melhor” afirmou o tenente Alves.

 


De acordo com o tenente a defesa pessoal para os militares é fundamental, uma vez que proporciona ao militar cuidar de si próprio. “A Defesa Pessoal Policial é uma disciplina das mais importantes porque mostra um trabalho que a gente precisa fazer para a nossa própria segurança. E as técnicas de defesa pessoal possibilitam ao policial zelar pela sua própria segurança” disse.

 


Ele disse que o uso de arma de fogo não é descartado pela PM, porém ele ressalta que ela só será usada em legítima defesa do militar ou em defesa de inocentes. Já a técnica de defesa pessoal é usada em abordagens que os suspeitos reajam, mas sem oferecer riscos de morte para o policial militar. “Em situações que não sejam necessários o uso da arma de fogo, se o suspeito está reagindo ou o sujeito simplesmente não obedece as ordens legais do policial, nesses casos será utilizado a força. A força tanto pode ser aplicada gradativamente, quanto também se o policial entender por bem diminuir a quantidade de força naquela situação ele também pode ir regredindo o uso da força” concluiu.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.