quarta-feira, 29 de Fevereiro de 2012 09:17h Atualizado em 29 de Fevereiro de 2012 às 09:55h. Vinícius Soares

Aumenta o número de edifícios em Divinópolis

Construção de edifícios cresceu nos últimos anos, a média do Centro se mantém estável

O sonho de muitas pessoas, certamente em primeiro lugar é adquirir uma casa própria, em seguida adquirir um carro, e logo depois mobiliarem a nova casa.
Muitos preferem apartamentos ao invés de casas, pelo espaço reservado, mais seguro e pela privacidade.
O setor imobiliário vive um bom momento no país e o aumento do poder aquisitivo, importando boa parte da população para a classe C, ajudou a elucidar o índice de crescimento vertical nas cidades polos.
No Brasil, o crescimento esperado para o setor entre 2009 e 2010 era de 39% com expectativas de 930 mil imóveis financiados em 2011. O interesse das instituições financeiras pelo investimento imobiliário tem crescido desde 1997, quando uma alteração no Código Civil brasileiro melhorou as garantias das instituições financeiras neste tipo de aplicação.
Até 1997 os financiamentos imobiliários eram garantidos por hipotecas. De acordo com este tipo de regulamentação, caso o comprador não conseguisse honrar suas dívidas com o imóvel, o financiador poderia tomá-lo de volta após longas batalhas judiciais, contraindo junto com ele todas as taxas administrativas do imóvel que por ventura o dono não tivesse honrado, como IPTU e depreciação física do imóvel. Com a lei 9514/97, os financiamentos imobiliários passaram a ser garantidos pela alienação fiduciária que, além de reduzir os trâmites burocráticos para a retomada do imóvel, permite que o financiador cubra os valores depreciativos do investimento. O resultado foi um aumento na confiança de ambos os agentes (financiador e financiado) e no percentual dos valores dos imóveis financiados, que eram de até 47% do valor do imóvel e passaram a atingir 62%.
No município de Divinópolis, os edifícios tomaram conta de bairros como Bom Pastor, Alvorada, L.P Pereira e Planalto. Localidades hoje, consideradas nobres pela população.
Novo proprietário de um apartamento em um desses espaços citados, Laerte Di Paula Viana, engenheiro mecatrônico e natural de Belo Horizonte, buscou em Divinópolis o que não conseguiu acessivelmente na capital. Ele ressaltou as vantagens de sua nova residência e comentou o aumento dessas estruturas pela cidade. “Optei pela compra de um apartamento pela praticidade do local. Somos só eu e a minha esposa e uma casa ficaria grande demais pra nós dois. Até planejamos ter filhos, mas o apartamento nos comporta bem por enquanto. Caso venhamos a nos mudar, poderemos locar o espaço, sem termos prejuízos.” afirmou Laerte.
O presidente da Câmara do Mercado Imobiliário e do Sindicato das Empresas do Mercado Imobiliário de Minas Gerais (CMI /Secovi), Ariano Cavalcanti, alegou que o mercado realmente está em alta no país com os imóveis estipulados até 150 mil reais.
“De fato, a procura foi muito maior em 2011do que se esperava. Até por conta da crise imobiliária em 2008 nos Estados Unidos. O Brasil conseguiu reagir bem, alavancando a economia com a oferta de empregos. E com isso, fez com que mais gente trabalhasse e subisse de classe, podendo então realizar o sonho de conquistar suas residências.” complementou o presidente.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.