sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2016 09:15h Mariana Gonçalves

Balanço da Dengue revela aumento da doença em Divinópolis

Uma situação preocupante para, principalmente, os moradores da cidade do Divino, de acordo com o balanço da dengue realizado pela Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis (Semusa)

Uma situação preocupante para, principalmente, os moradores da cidade do Divino, de acordo com o balanço da dengue realizado pela Diretoria de Vigilância em Saúde da Secretaria Municipal de Saúde de Divinópolis (Semusa), em relação ao último balanço divulgado, em 3 de fevereiro, houve um crescimento de mais de 47% no número de casos notificados como suspeitos de dengue. Até o momento, totalizam 358 notificações, os casos diagnosticados como positivo para dengue também subiram, passaram de 30 no último boletim para 43 nesta última divulgação.
Os números são superiores aos revelados no mesmo período em 2015. A Semusa, que já realizava um trabalho de orientação e combate aos focos do Aedes aegypti, intensifica ainda mais suas operações de combate a este mosquito em 2016.

 


Nem mesmo no carnaval houve descanso. No sábado (06/02), os agentes de combate a endemias estiveram na feira livre do bairro Esplanada e Porto Velho, realizando panfletagem e orientando à população. A mesma ação ocorreu no domingo (07/02) na feira do bairro Niterói.
Já na região dos shoppings e na Avenida 1º de Junho com Goiás, também no sábado de carnaval, ocorreu uma blitz de orientação. Já a comunidade de Buritis, recebeu mais um Arrastão de Limpeza no sábado e na segunda. “Há muito trabalho a ser feito e a Semusa se esforça a realizar a parte que lhe cabe, mas o combate ao Aedes só será efetivo se tiver a participação da população. Daí a nossa preocupação em levar informação”, pontua a diretora de vigilância em saúde, Celina Pires.

 

 

ÓBITOS

De acordo com o Boletim Epidemiológico de Monitoramento dos casos de dengue, divulgado no último dia 2 pela Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais (SES), mais uma morte por dengue foi confirmada em Minas em 2016, dessa vez em Patrocínio.
O óbito foi em 12 de janeiro, mas a confirmação da relação com a doença só foi divulgada na última semana pela SES. Trata-se de uma senhora de 92 anos, diagnosticada no último dia 2. Segundo o boletim, a paciente apresentava comorbidade, ou seja, tinha outras doenças associadas. A idosa é de Patrocínio e, segundo o secretário de saúde do município, Wesley Faber, era cardiopata.
O outro caso foi registrado em Belo Horizonte, na última sexta-feira. A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) revelou que o óbito foi de uma mulher, de 47 anos, moradora da Região Noroeste da capital, que morreu no dia 13 de janeiro, em um hospital particular. No município, até a semana passada, havia 77 casos notificados e 38 confirmados.
Já no estado, até o boletim divulgado na semana passada, havia 20.859 casos prováveis (que reúnem os confirmados e os suspeitos) no estado em 2016. Número que, esta semana, subiu para 37.737.

 

 

CHIKUNGUNYA E ZIKA

O número de notificações da Febre Chikungunya dobrou da semana passada para esta, passando de 80 para 160. Mas ainda não há confirmação da doença no estado. Estão sob investigação 114 registros, tendo sido descartados 46.
Também subiu o número de notificações para o Zika Vírus. Sem considerar mulheres grávidas, o número de notificações foi de 24 para 50, estando todos ainda sob investigação. Já o registro em gestantes subiu de 20 para 27 e as notificações de microcefalia em bebês (considerando a provável relação com o Zika Vírus) foram de 48 para 58. Até o momento, a SES segue com um caso confirmado de gestante infectada pelo Zika e outro caso confirmado de bebê com microcefalia decorrente da infecção por Zika (no total de duas grávidas infectadas). O estado investiga 19 casos de microcefalia (até a semana passada, eram 8) e 22 gestantes infectadas (contra 16 da semana passada).

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.