terça-feira, 14 de Julho de 2015 10:23h Atualizado em 14 de Julho de 2015 às 10:27h. Pollyanna Martins

Buracos em avenida e esgoto a céu aberto no bairro Jardinópolis já virou rotina para os moradores

Motoristas se arriscam e entram na contramão para escapar dos buracos

Os moradores do Jardinópolis, em Divinópolis, estão cansados do esgoto que escorre a céu aberto na Avenida Limeira, a principal do bairro. Além do esgoto, os buracos tomam conta de um determinado trecho da avenida. O problema persiste há anos e a Gazeta do Oeste já mostrou a situação várias vezes. Em julho do ano passado, nossa reportagem flagrou vários veículos, incluindo um ônibus do transporte público, entrando na contramão para se livrar dos buracos.
Um ano se passou e o problema continua. Os buracos não foram tapados e o esgoto continua escorrendo a céu aberto. Nossa reportagem flagrou mais uma vez vários carros entrando na contramão para desviar dos buracos enquanto estávamos no local. A camareira Deusa Amá Pereira Soares mudou para o bairro há apenas cinco meses e conta que a situação já virou rotina para ela e os vizinhos. Segundo Deusa, no último sábado ela sentou no ponto ônibus e no tempo que ficou aguardando temeu que um acidente grave acontecesse no local. “É normal eles invadirem a contramão para fugir dos buracos. O mato alto tomou conta do canteiro central também, então eles [motoristas] vêm na contramão e não tem visibilidade nenhuma. Sábado eu sentei para esperar o ônibus e vi a hora que ia acontecer um acidente”, relata.
A camareira mora na Rua Castanheira e conta que o problema com esgoto no local é constante, assim como na Avenida Limeira. As fossas das casas da rua (o bairro não tem rede de esgoto) vazam e, com isto, o esgoto escorre na via. “Agora melhorou um pouco a situação, têm dias que o esgoto escorre no meio da rua”, conta. A moradora já ligou na Prefeitura solicitando o reparo do problema, mas é aí que começa o jogo de empurra. “A gente liga e não consegue falar com ninguém, nos passam vários telefones, aí a gente anota e o número não atende ou então só dá ocupado. Tem também o jogo de empurra de Copasa para Prefeitura e vice-versa”, reclama.
O mau cheiro é perceptível logo na entrada do bairro. De acordo com a moradora, no início da noite o odor aumenta. Preocupada com a saúde, pois a camareira tem crises de alergia, ela acredita que com o aumento do uso de água o mau cheiro só piora. “Tem tarde que o mau cheiro piora e ataca até a minha enxaqueca. Eu acredito que é quando chega todo mundo em casa e começa a usar mais, aí o mau cheiro fica insuportável.”

 

MAIS ESGOTO
Além da Rua Castanheira e da Avenida Limeira, o problema de esgoto a céu aberto se repete na Rua Quarita. O esgoto começa na esquina da rua e escorre por toda a avenida. Outro problema que preocupa os moradores é um bueiro que está sem tampa no mesmo local. “Um joga para o outro e nós continuamos com esgoto no meio da rua, com a rua cheia de buracos, mato alto, sujeira. Em outra rua tem um bueiro sem tampa, e a gente tem medo de uma criança, um idoso, ou até mesmo a gente cair dentro dele, porque lá é fundo”, descreve.
Conforme Deusa, se o morador quer a porta de casa limpa ele mesmo tem que tirar o mato, que toma conta de várias ruas. A moradora reclama ainda do abandono que o bairro sofre por parte do poder público. “Nós estamos abandonados aqui, estamos jogados, estamos na roça. Do tempo que nós estamos conversando aqui mais de dez carros passaram na contramão desviando dos buracos.”

 

PREFEITURA
A Prefeitura informou, por meio de sua Assessoria de Imprensa, que o problema dos buracos da Avenida Limeira só poderá ser resolvido quando um morador protocolar a reclamação no site www.divinopolis.mg.gov.br, ou no setor de Protocolo – que fica na sede da Prefeitura, na Rua Pernambuco, n°60, Centro. A assessoria informou ainda que a limpeza do mato alto vai entrar no cronograma da Secretaria Municipal de Operações Urbanas (Semop) e a vistoria do bueiro será ainda hoje. Caso já tenham a tampa pronta ela será colocada, ou então a equipe irá tirar as medidas e fabricá-la para que o bueiro seja tampado.

 

COPASA
Em nota, a Copasa informou que “o bairro Jardinópolis, em Divinópolis, foi implantado sem o ponto de lançamento adequado para interceptar os efluentes. O ponto de lançamento deveria ter sido solucionado já na implantação do loteamento pelo empreendedor.” A Companhia ressaltou ainda que a situação requer intervenção mais profunda do que a simples manutenção corretiva no ponto do vazamento de esgoto, inadequada neste momento.

“Há necessidade de implantação de interceptor ao longo dos dois cursos d'água próximos (Interceptores Jardinópolis), previsto em projeto da Copasa e no contrato de programa firmado entre a Companhia e o município de Divinópolis, com conclusão até 2016.” A empresa informou que como o serviço não está sendo prestado no bairro, não estão sendo cobrados os valores referentes à coleta e ao transporte do esgoto dos moradores.


Crédito: Pollyanna Martins

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.