terça-feira, 10 de Março de 2015 10:52h Atualizado em 10 de Março de 2015 às 11:00h. Jotha Lee

Caixa tem R$ 20 milhões para microempresas de Divinópolis

Recursos poderão ser retirados com juros abaixo de 1% ao mês

A Caixa Econômica Federal (CEF) disponibilizou R$ 20 milhões em crédito para os microempresários de Divinópolis e das 103 cidades que compõem a Superintendência Regional. Trata-se de uma linha de crédito instituída pelo Ministério do Trabalho, utilizando recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) para empreendimentos que proporcionem a geração e também a manutenção de emprego e renda.
Essa linha de crédito destina-se ao financiamento de investimentos fixos, capital de giro associado ou capital de giro isolado de micro e pequenas empresas, com faturamento há mais de 12 meses consecutivos de até R$ 7,5 milhões anuais. Cooperativas e associações de produção também se incluem nessa classificação. Os recursos serão liberados através do Programa de Geração de Renda e Emprego (Proger) e estarão disponíveis a todo microempreendedor que atenda aos requisitos exigidos.
De acordo com o superintendente regional da CEF, Marcelo Bomfim, os empréstimos são liberados sem burocracia e os financiamentos são de no máximo R$ 600 mil, podendo ser quitados em até 60 meses, com um ano de carência. Quem optar por esse linha de crédito, vai pagar juros de 5% ao ano, mais a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que esse ano está em 5,5%. Com isso, o empresário pagará juros anuais de 10,5%, menos de 1% ao mês, o que torna o financiamento ainda mais atrativo.

 

IMPULSÃO
Segundo Marcelo Bomfim, o objetivo da CEF é impulsionar a economia de Divinópolis. Como exemplo, ele cita o setor confeccionista, cujas empresas, em sua maioria de pequeno e médio porte, poderão se utilizar dessa linha de crédito para aumentar produção e renda. O superintendente afirma que os recursos disponíveis poderão contribuir na modernização dos investimentos econômicos. “A cidade precisa se modernizar em relação à pequena e micro empresa. O Proger é um programa de geração de emprego e renda, mas também está voltado para ajudar ao pequeno empresário”, afirmou.
Para Marcelo Bomfim, a adesão ao Proger gera uma série de benefícios ao pequeno empresário. “O programa é importante porque dinamiza a empresa, o empreendedor vai pagar barato e ele pode modernizar suas instalações. Essa linha permite investimentos de até 30% do capital de giro”, explicou. O superintendente disse ainda que a CEF vai buscar parcerias com sindicatos, associações e entidades para que o crédito possa ser oferecido. “Esse programa é antigo, mas agora temos uma quantidade de recursos muito grande para operar”, acrescentou.
O superintendente regional explicou que a concessão do crédito através do Proger é rápida e sem burocracia. “Para ter acesso ao programa, a empresa dever estar operando há pelo menos um ano e deve apresentar a documentação corriqueira, para que a Caixa faça uma análise de risco. A empresa precisa também elaborar um Plano de Negócios”, explicou. Bomfim explicou que o Plano de Negócios pode ser elaborado com os próprios gerentes da CEF, mas aconselha ao interessado a buscar parceria junto ao Sebrae, que tem todo o know-how para trabalhar com a pequena e média empresa.
Segundo o Gerente Regional da CEF, Gustavo Coutinho, os gerentes das agências estão aptos e orientados a ajudar ao interessado na elaboração do Plano de Negócios. Explicou, ainda, que além de oferecer crédito barato, a Caixa também oferece outras vantagens. “Com esse recurso do Proger, que é um crédito bastante acessível, a Caixa tem a oferecer também a desburocratização do processo , que facilita o acesso ao financiamento”, garantiu. Ele informou que esse ano já foram contratados cerca R$ 2,5 milhões em empréstimos através do Proger, dos quais R$ 1,5 milhão só em Divinópolis.

 

ITENS FINANCIÁVEIS:
- Bens, inclusive de origem estrangeira, já internalizados no País.
- Benfeitorias e bens agregados em definitivo a imóveis próprios ou de terceiros, quando o proprietário figurar como coobrigado no instrumento de crédito, não sendo permitido o financiamento somente de benfeitorias.
- Veículo de carga, produção nacional, modelo básico, com até 10 anos de fabricação (motocicleta, reboque, furgão e caminhonete), comprovada a utilização nas atividades do empreendimento financiado
- Serviços relacionados com a atividade do proponente.
- Capital de Giro Associado, destinado a suprir as necessidades do ciclo operacional do empreendimento.
- Implantação de sistemas de gestão empresarial, exceto para cooperativas e associações de produção.
- Investimentos que envolvam implantação de franquias.

 

Crédito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.