quarta-feira, 28 de Agosto de 2013 07:28h Daniel Michelini

Calor será maior do que em 2012

Meteorologista confirma que, apesar de previsão de chuvas para hoje, temperatura nas próximas semanas deverão se elevar.

Apesar do tempo nublado que encobre a cidade desde ontem, a tônica do tempo até o fim do ano deve ser mesmo de céu aberto, sem nuvens. Ainda para hoje, existe previsão de chuva. Contudo, o meteorologista Márius Costa afirma que há possibilidade de que as temperaturas registradas neste segundo semestre sejam maiores do que aos números que os termômetros marcaram no mesmo período de 2012.

 


Sobre o risco de chuva para esta quarta-feira, Márius diz que, essa possibilidade de chuva é inteiramente influenciada por uma frente fria que está atuando no estado de São Paulo e segue rumo ao Rio de Janeiro. Contudo, ela tem tamanho e força para influenciar o tempo em Divinópolis com variações de nebulosidade e ocasionalmente, chuviscos.

 


No primeiro semestre desse ano, Divinópolis enfrentou um considerável período sem chuvas. O meteorologista destacou ter se tratado de um tempo normal, tendo em vista que, nos anos anteriores, foram registradas chuvas além da normalidade, com fenômenos atmosféricos a "todo vapor", como El Niño e La Niña: “Ambos desregularam o regime de chuva em Divinópolis, criando condições para grandes volumes, com chuvas volumosas até mesmo fora do período comum”. Ele explica que foi isso que aconteceu em 2012, quando chuvas de grande volume em pleno inverno foram vistas na cidade, sendo que, teoricamente, é um período considerado seco: “É claro que não choveu conforme o esperado, mas esse fato não se aplica a nenhum fenômeno proveniente do Oceano Pacífico (La Niña e El Niño) e sim da falta de frentes frias provenientes do extremo Sul da América do Sul”, destaca.

 


Máriu Costa diz que as chuvas poderão ocorrer com rigidez entre os meses de setembro e outubro, no que diz respeito à velocidade dos ventos e descargas atmosféricas, uma vez que tais meses são considerados meses de mudanças nas temperaturas com aquecimento acentuado durante as tardes: “Essa mudança do frio para o calor, que normalmente ocorre na mudança de inverno para primavera, faz com que as correntes de ar se movimentem de forma mais rápida. O ar mais frio proveniente de novas frentes frias em choque com o ar mais quente normalmente provoca ventanias, trovoadas e possível precipitação de granizo”, disse o meteorologista. Entretanto, considerando que ainda estamos num período de normalidade atmosférica, ele diz que é possível que as chuvas ocorram dentro da média histórica, sem grandes variações de intensidade.

 


Mas o que chama a atenção mesmo é o calor que poderá fazer daqui para frente: “As temperaturas neste ano de 2013, especialmente nos últimos três meses, serão bem mais elevadas”, revelou Márius. De acordo com as previsões feitas pelo setor de climatologia da cidade, é esperado que a diferença de temperatura possa chegar a 15% entre 2012 e 2013: “O destaque, possivelmente seja esse: a temperatura mais elevada”, concluiu.

 

Em outubro de 2012, os termômetros chegaram a marcar 37,1°C, que foi a maior temperatura registrada na cidade durante os últimos seis anos, quando em 2007 foram marcados 37,7°C. A menor foi registrada na madrugada do dia 20 de julho, com 5,0°C.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.