quinta-feira, 6 de Agosto de 2015 10:01h Atualizado em 6 de Agosto de 2015 às 10:03h. Pollyanna Martins

Campanha “Dê dignidade, não dê esmolas” é lançada oficialmente pela Acasp

Associação lançou a campanha em parceria com a Polícia Militar, a Polícia Civil, a Prefeitura de Divinópolis, o Corpo de Bombeiros, a Polícia Civil, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e a Associação Comercial de Divinópolis (Acid)

A Associação Comunitária para Assuntos de Segurança Pública (Acasp) lançou oficialmente, ontem, a campanha “Dê dignidade, não dê esmolas”. O lançamento foi realizado na sede do 23º Batalhão da Polícia Militar, onde a Polícia Civil, a Prefeitura de Divinópolis, a Polícia Militar (PM), o Corpo de Bombeiros, a Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) e a Associação Comercial de Divinópolis (Acid) firmaram a parceria com o projeto.
A campanha, que começou há oito meses, tem como objetivo conscientizar a população de Divinópolis a não dar esmolas para os usuários de drogas que vivem nas ruas da cidade. O Comandante da 7ª Região da Polícia Militar, Coronel Laércio, destacou que a Operação Integrada Fênix, realizada duas vezes no município (realizada em junho na Praça Candidés, no entorno do Campo Guarani e no “Morro da Pitimba”) reduziu cerca de 44% o número de andarilhos nas ruas da cidade, mas que é de extrema importância a conscientização da população. “Faz parte do planejamento a implementação de uma campanha para que a população, as instituições, as entidades filantrópicas não deem esmolas, não ajudem os usuários de drogas com vestuários e alimentação, justamente para não proporcionar aos usuários a ideia de que a cidade é acolhedora”, frisa.
De acordo com a PM, após a execução da Operação, Divinópolis apresentou uma redução de 11,5% nos roubos consumados a transeuntes e de 13,7% nos roubos consumados em geral. O Coronel ressaltou que a campanha “Dê dignidade, não dê esmolas” reflete diretamente no resultado das operações que são realizadas pela PM. “Nós estamos no entorno da Praça Candidés e os crimes contra o patrimônio mostraram uma redução bastante elevada, a gente sabia que isso ia acontecer, porque o usuário de droga furta e rouba para sustentar o vício. A campanha faz parte do trabalho, justamente de que não tenhamos mais a vinda de outras pessoas, porque aqui é uma cidade acolhedora e é o que vai agravar o problema dos usuários da cidade”, avalia.

 

DESENVOLVIMENTO SOCIAL
O Secretário Municipal de Desenvolvimento Social, Paulo dos Prazeres, esteve presente no lançamento e frisou que a população deve mudar o tipo de relação que tem com os usuários de drogas. “Algumas pessoas realmente precisam, outras se utilizam da ideia que nós temos o que elas precisam. Aí começa a pedir, por exemplo, sanduíche, porque elas já perceberam que o dinheiro não está saindo mais, e troca o sanduíche por uma pedra de crack, ou vende o sanduíche por R$ 2 e troca esse dinheiro por uma pedra de crack”, explica.
O secretário orientou também, que a população deve reconhecer os órgãos que cuidam dos usuários de drogas. Além dos órgãos, há na cidade igrejas católicas evangélicas e Casas Espíritas que desenvolvem projetos de apoio. “A gente precisa reconhecer essas entidades, que têm instrumentos para até dar uma vida melhor para esses usuários de drogas. Hoje nós temos meninas e mulheres mais velhas grávidas, e nós precisamos proteger esses bebês, e não será com um sanduíche na porta da padaria que a gente vai resolver isso”, frisa.

 

CAMPANHA
De acordo com o Secretário de Comunicação da Acasp, Julio César Corrêa, durante os oito meses de campanha foi intensificada a conscientização para que a população não dê esmolas aos andarilhos que estão em Divinópolis. Júlio relembra que o início do projeto foi limitado, quando a Acasp contava apenas com o apoio da PM, mas com o passar do tempo, a Associação viu a necessidade de expandir a campanha. “Nós começamos a buscar o apoio da imprensa, da Prefeitura, do Corpo de Bombeiros, da Acid, da CDL, e todos eles abraçaram a causa. Nesses oito meses que passaram, houve um marco decisivo, que foi a Operação Integrada Fênix”, afirma.
Júlio informa ainda que durante a triagem feita pela Secretaria de Desenvolvimento Social, foi constatado que Divinópolis é a cidade com a droga mais barata da região, em segundo lugar, o assistencialismo que levam sopas e agasalhos para os usuários de drogas, e em terceiro lugar foi a facilidade que os usuários de drogas têm em receber esmolas. “Esse assistencialismo tem boa intenção, mas infelizmente tem feito com que essas pessoas voltem para as ruas. Quem está dando dinheiro para essas pessoas não está contribuindo para que elas mudem a sua situação, na verdade, estão contribuindo com o tráfico de drogas e com o aumento da criminalidade.”, explica.
Olho: “Quem está dando dinheiro para essas pessoas não está contribuindo para que elas mudem a sua situação, na verdade, estão contribuindo com o tráfico de drogas e com o aumento da criminalidade”, Julio César Corrêa.

 

Credito: Jotha Lee

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.