sábado, 14 de Março de 2015 05:53h

Cecri promove caminhada ecológica e discute questões ambientais com os alunos

Caminhada abre projeto “Terra, Planeta Água”, que deve durar o ano todo

Conscientizar as crianças sobre o papel que podem desempenhar na preservação do meio ambiente. Esse é o principal objetivo do projeto “Terra, Planeta Água?” que está sendo desenvolvido por alunos e professores do Centro Educacional Criativo (Cecri), em Divinópolis. O projeto deve durar todo o ano e a abertura será realizada hoje com uma Caminhada Ecológica – marcada para sair às 7h30 do calçadão do bairro Porto Velho, nas proximidades da ponte de ferro que liga o bairro ao Esplanada.
De acordo com a diretora pedagógica do Cecri, Mércia Cunha, a escolha por esse local foi feita para que os alunos possam ter um contato direto com o Rio Itapecerica, analisando qual a sua situação atualmente. “Para isso, a gente está trabalhando com eles ao longo dessa semana e dando início aos trabalhos do projeto sobre como era o rio há alguns anos, como as pessoas de Divinópolis se utilizavam dele. Então eles descobrem que o rio foi utilizado para lazer, que as pessoas nadavam no rio, que a água era limpa. A gente resgata com eles fotos antigas para a criança fazer um paralelo”, explica.
Segundo Mércia, as atividades do projeto vão envolver todos os alunos do Centro Educacional e, nessa primeira iniciativa devem participar 450 crianças de quatro meses a 12 anos. “O turno da manhã é convidado a participar também, mas não é atividade de estudo deles nesse momento. Nesse momento nós estamos estudando as crianças menores. Mais para frente teremos atividades com os alunos maiores também”. Além dos alunos, também devem estar envolvidos os pais e familiares, além da comunidade no geral.

 

 

CONSCIÊNCIA
Fechar a torneira ao escovar os dentes, tomar banhos mais curtos, não lavar a calçada sem necessidade. Segundo a diretora, essas são pequenas noções que o projeto vai poder repassar para as crianças – acreditando serem elas as responsáveis pela criação de um futuro melhor. “A gente tem certeza que é trabalhando com crianças pequenas essa questão da educação ambiental que a gente consegue trazer possíveis transformações”, destaca Mércia.
“Através das crianças a gente leva essa educação para as casas, para os pais também. Aquilo que elas aprendem, elas respeitam. Se a gente trabalha com elas fechar a torneira, tomar banhos mais curtos, não lavar a calçada, essas dicas que às vezes conhecemos muito mas não colocamos em prática, a criança leva os pais a colocarem em prática”, emenda.

 

 

OUTRAS ATIVIDADES
Mércia explica que durante o ano outras atividades estão previstas para ocorrer para que a questão da água e do meio ambiente seja discutida. Dentre as propostas, estão feiras educativas, nas quais haverá a possibilidade de interação da comunidade acadêmica com a sociedade e excursões em espaços onde os alunos possam constatar pessoalmente as questões que envolvem o meio ambiente, como nascentes de rios, por exemplo. Além disso, o centro educativo também planeja uma visita à tribo indígena Pataxó Muã Mimatxi, de Itapecerica.
“Com intenção que eles vejam outros modos de vida e façam um paralelo. Será que nós, de fato precisamos usar tanta água, desgastar tanto o meio ambiente? Será que a gente precisa produzir tanto lixo, cortar tantas árvores, gastar tanto papel? Uma série de questionamentos que a gente vai conduzindo com as crianças”, finaliza a diretora pedagógica.

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.