quinta-feira, 29 de Outubro de 2015 09:11h Mariana Gonçalves

Cemitérios recebem reforço na manutenção para o Dia de Finados

A Prefeitura de Divinópolis, por meio da equipe da Secretaria de Operações Urbanas e Defesa Social (Semouds), está finalizando as ações de reforço na manutenção dos sete cemitérios municipais para o Dia dos Finados

A ação já é tradicional e nas semanas que antecedem o dia 2 de novembro, os trabalhos de capina, poda de árvore e limpeza dentro dos cemitérios são intensificados. O secretário municipal de operações urbanas, Dreyfus Rabello, diz que há três equipes trabalhando na limpeza, além do pessoal que faz a manutenção diária destes espaços.
De acordo com a Prefeitura, a previsão é de que no feriado, mais de 10 mil pessoas visitem os cemitérios públicos de Divinópolis. No município, existem cinco cemitérios na zona urbana. O Cemitério da Paz, localizado na Rua Paraná, nº 1001, no Centro, o Cemitério do Bom Pastor, na Rua Itamarandiba, nº 1080, o Cemitério da Saudade, no Belvedere, o Cemitério da Salvação, na Gustavo Machado, nº 235, no Interlagos, o Parque do Divino Espírito Santo, na Rua Márcio Notini, sem número, no bairro Jusa Fonseca, além do Cemitério localizado em Santo Antônio dos Campos.

 

 

IMPORTANTE

É muito importante que os visitantes não deixem água nos vasos de flores ou pratinhos, para que não haja risco de se encherem com a água das chuvas, evitando o desenvolvimento do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue.

 

 

TRADIÇÃO

Com base em pesquisas feitas pela equipe de reportagem na internet, o dia de finados é uma celebração tradicional da Igreja Católica e representa o ato de gratidão àqueles que estão na presença de Deus. Ao visitar o cemitério e rezar aos mortos, as pessoas estão ajudando os defuntos a serem libertos de suas penas, auxiliando em sua purificação, de acordo com o Catecismo da Igreja Católica (CIC). Desde o século I, os cristãos tinham o costume de rezar pelos falecidos. No século V, a igreja decidiu reservar um dia para rezar pelos mortos que ninguém lembrava. Santo Odilon, o abade da cidade de Cluny, na França, em 998, pediu para os monges rezarem pelos mortos e essa petição se espalhou para os mosteiros beneditinos relacionados a Cluny, auxiliando na disseminação dessa comemoração em vários países da Europa.
A partir do século XI, os Papas Silvestre II e Leão IX decidiram que era preciso que todos dedicassem um dia aos mortos. No século XIII, o dia de finados passou a ser comemorado em 2 de novembro, pois dia 1º de novembro é a Festa de Todos os Santos. Santo Odilon utilizou essa justificativa para que o dia dos falecidos fosse lembrado. Portanto, esse é um dia de respeito, para que as famílias possam celebrar a vida eterna das pessoas falecidas. Além disso, é um dia de misericórdia e também de perdão e amor.
Nesse dia, as pessoas visitam seus entes queridos no cemitério, realizam missas, fazem orações por aqueles que morreram, utilizam vestimentas na cor preta ou roxa, entoam cânticos e fazem ornamentações simples.
As pessoas costumam levar flores ao cemitério. Uma das mais comuns, por causa de sua durabilidade e por serem utilizadas em velórios, são os crisântemos. Há quem também goste de acender velas sobre o túmulo, pois acreditam que elas representam a luz para os falecidos, ou seja, todos os bons feitos que eles realizaram aos seus parentes e amigos.

 

Créditos: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.