quarta-feira, 2 de Março de 2016 12:04h

Centro de Especialidades Médicas registra alta de 48% nos atendimentos

O Centro de Especialidades Médicas (CEM) registrou, no período de 18 de janeiro a 18 de fevereiro de 2016, um total de 360 consultas com especialistas

Foi verificado um aumento de 48% em comparação com o período anterior de acordo com o supervisor da unidade, Kilder Rocha.

O espaço funciona no antigo Pronto Socorro Regional (PSR), na região central, de segunda a sexta de 8h às 18h. O convênio celebrado entre a Prefeitura de Divinópolis e a Universidade Federal São João del-Rei (UFSJ), prevê que o paciente seja atendido ao mesmo tempo pelo médico que é o professor e o estudante de medicina.

 

 

 

Preparado para receber pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS), o CEM oferece consultas especializadas, em cardiologia, dermatologia, endocrinologia, cirurgia geral, pneumologia, otorrinolaringologista, ginecologia e urologia. “Estamos trabalhando para receber a curto e médio prazo, outras três especialidades como proctologia, gastroenterologia e oftalmologia”, garantiu Kilder.

“A Prefeitura entrou com o imóvel reformado e adequado, além de profissionais de farmácia e enfermagem e outros como operacionais. Já a UFSJ entra com os preceptores da medicina, farmácia e enfermagem. Hoje temos uma média seis atendimentos dia por profissionais. Na ginecologia temos cinco profissionais e na cirurgia geral são quatro”, ressaltou Kilder Rocha.

 

 

 

Em novembro do ano passado, quando a unidade começou a funcionar em caráter experimental, o prefeito Vladimir Azevedo, o secretário de saúde David Maia e o diretor do Campus Centro-Oeste da Universidade Federal São João del-Rei (UFSJ), Eduardo Sérgio da Silva, realizaram uma visita técnica, oportunidade que o serviço foi apresentado a imprensa.

O professor da UFSJ,  Denny Veloso, ressaltou que a parceria é extremamente frutífera. “A comum idade é atendida, alia-se a isto ao ensino na graduação a medicina, farmácia e enfermagem. Procuramos dar ao paciente um atendimento de alto nível pelo professor junto com o aluno”, explicou.

 

 

Veloso comentou ainda que o atendimento especializado permite o tratamento de afecções mais graves de maior complexidade no regime ambulatorial. “A pessoa tem saído daqui de maneira satisfatória e resolutiva. O paciente que, por exemplo, não tem o diabetes bem controlado, pode também receber orientações do uso e do acondicionamento adequado dos medicamentos, isto permite uma resolução melhor”, resumiu.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.