sexta-feira, 18 de Setembro de 2015 10:28h Atualizado em 18 de Setembro de 2015 às 10:30h. Carina Lelles

Cerca de 70 funcionários do HSJD apresentam quadro de intoxicação alimentar

Técnicos da vigilância sanitária vão ao local para verificar a higiene da cozinha do Hospital

Em 48 horas, cerca de 70 funcionários do Hospital São João de Deus (HSJD) foram dispensados do trabalho por intoxicação alimentar. O diagnóstico fez com que a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) envie técnicos da vigilância sanitária para averiguar as condições de higiene no local, o setor epidemiológico irá colher material para descobrir as causas.
Por meio de nota, a assessoria de comunicação do Hospital confirmou a situação e informou que a instituição possui um rígido controle diário de qualidade da água e alimentação fornecida aos pacientes e colaboradores. O Serviço de Nutrição e Dietética (SND) do HSJD apresenta diariamente para a Vigilância Sanitária, pontos críticos de controle no processo de preparo e distribuição das refeições para todos os seus usuários.
Já a assessoria de comunicação da Semusa, informou que alguns trabalhadores do Hospital estão em observação na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) e que técnicos da vigilância sanitária e epidemiológica do município tomaram ciência do problema, na tarde de ontem, e, imediatamente, começaram os trabalhos de colher informações. Na manhã de hoje, os técnicos vão até o hospital para realizar uma inspeção na cozinha da unidade hospitalar.
A assessoria do Hospital informou ainda que, “os sintomas, como diarréia, podem aparecer em até 72 horas após a intoxicação, por isso, não há como definir que o problema esteja diretamente relacionado à alimentação no hospital, haja vista que muitos colaboradores alimentam fora, e, principalmente, em lanchonetes e restaurantes próximos à instituição”.
Ainda de acordo com a assessoria, é importante ressaltar que a diarréia também pode ter transmissão direta pessoa a pessoa ou pelo ar, principalmente em locais fechados. Por isso, é importante uma análise mais detalhada para o diagnóstico da causa e que “informações extraoficiais indicam que há registros de casos de diarréia em várias partes do município”.
A reportagem não conseguiu, junto à Semusa, informações sobre os possíveis casos de diarréia em outras partes do município.

 

Exames
O setor epidemiológico da Semusa e o próprio hospital colheram amostras dos trabalhadores e dos alimentos, para que seja feito um exame, o resultado deve ficar pronto em 15 dias.
Ainda de acordo com a assessoria de comunicação do Hospital, a alimentação servida aos funcionários é a mesma servida aos pacientes, porém nenhum deles apresentou nenhum sintoma.

 

Créditos: Arquivo GO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.