segunda-feira, 6 de Junho de 2016 14:45h

Cerca de 8 mil acompanham espetáculo da Esquadrilha da Fumaça em Divinópolis

Show foi promovido pela VLI em comemoração aos 100 anos da oficina ferroviária

O show proporcionado pela Esquadrilha da Fumaça agitou a tarde do último domingo (5) em Divinópolis. Cerca de 8 mil pessoas compareceram ao Aeroporto Brigadeiro Cabral para acompanhar o espetáculo, promovido pela VLI para comemorar os 100 anos da oficina ferroviária, completados neste mês.

 

Os aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) rasgaram o céu de Divinópolis por cerca de 40 minutos. As 50 manobras realizadas chamaram a atenção do público pelo arrojo e perícia dos pilotos, que utilizaram a aeronave A-29 Super Tucano na apresentação.

O tempo foi outro fator positivo da apresentação. Havia previsão de tempo nublado e chuva para o domingo. Mas, durante o show, o céu estava claro e com poucas nuvens, o que contribuiu para a beleza do espetáculo dos aviadores.

“Foi um belo show. Acredito que conseguimos fazer uma linda homenagem à oficina e à ferrovia, que tanto contribuíram para o desenvolvimento de Divinópolis”, diz o analista de relações institucionais da VLI, André Elesbão.

O evento também foi um presente para comemorar os 104 anos da cidade, completados em 1º de junho.

 

 

 

História

Não é possível precisar a data exata de inauguração da oficina, mas é sabido que a sua fundação é de 1916. Hoje, é considerada a maior oficina de locomotiva e vagões da América Latina, com uma área total de 55 mil metros quadrados (o equivalente a quase sete vezes o campo do Mineirão), sendo 18 mil metros quadrados construídos. Sua capacidade é de atender entre 15 e 20 locomotivas e de 15 a 18 vagões por dia.

Os trens que passam pela ferrovia e eventualmente pela oficina transportam grãos, fertilizantes, produtos siderúrgicos e industrializados. É um canal essencial na logística do país e no escoamento de suas riquezas.

Atualmente, cerca de 1.000 empregados trabalham na ferrovia em Divinópolis, entre mecânicos, eletricistas, soldadores, maquinistas, engenheiros e outros profissionais. São trabalhadores que contribuem diretamente para a transformação logística e crescimento do Brasil. Homens e mulheres que se identificam com a profissão de ferroviário, um ofício que costuma passar por várias gerações da mesma família.

Mesmo tendo realizado reformas para readequar o espaço à realidade atual dos equipamentos modernos, a VLI, que administra a ferrovia, preservou muitos prédios, como o utilizado hoje como auditório.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.