quinta-feira, 5 de Dezembro de 2013 04:29h Atualizado em 5 de Dezembro de 2013 às 04:31h. Mariana Gonçalves

Cerco de Jericó reúne milhares de fiéis no Santuário de Nossa Senhora

Esse é o 3° Cerco de Jericó realizado pela equipe do Santuário de Nossa Senhora de Aparecida.
As celebrações que se iniciaram na ultima segunda-feira (02), seguirão até o domingo.
Todas as noites as missas estão começando por volta das 19h30. O pároco Chrystian Shankar, conta que a temática geral do Cerco é “Derrubando as Muralhas pela Força da Oração”, porém, durante as celebrações um assunto diferente e de certa forma ligado ao tema do Cerco é proposto para reflexão dos fiéis. Hoje por exemplo, o assunto será “Fé”, “amanhã vamos falar muito sobre a esperança em Deus, a esperança com a certeza de alcançar. No Sábado será “Com Maria, rumo a Belém” e no Domingo por ser o domingo de advento, ou seja, a celebração de preparação para o natal, o tema será voltado para a Bíblia” explica Shankar.
O padre conta ainda que o estilo de Cerco realizado aqui na cidadeé diferente porque consiste em ter uma hora de celebração de missa, quinze minutos de pregação, e com a entrada da Arca é cerca de mais uma hora de adoração.
Para o pároco o principal contexto do Cerco de Jericó é a Arca da Aliança, pois a antiga Arca era de ouro, tinha dois querubins sobre o propiciatório (tampa) e as asas viradas para o meio, ali era onde Deus aparecia e conversava com Josué. Dentro da Arca, tinha as tábuas da lei, que são as tábuas de Moisés, o decálogo e o cajado de Aarão. A Arca da Aliança simboliza o Deus que caminha junto com seu povo. Hoje “a nova Arca da Aliança, simboliza Maria, e dentro da arca temos a Eucaristia que é o Santíssimo Sacramento. Jesus disse “Tomai Todos e Bebei, Esse é o Cálice da Nova Aliança”, por isso a Hóstia. Quando a Arca chega ao altar, ela é colocada no Ostensório para adoração”, completa Shankar.

A FÉ QUE DERRUBA MURALHAS

Para que os fiéis entendam mais detalhadamente a história do Cerco o pároco orienta que se faça a leitura da Bíblia, (Josué capítulo 6). Mas, resumidamente Pe Shankar conta que “O povo estava a caminho da terra prometida por Deus, no meio do trajeto eles encontram um obstáculo enorme, uma cidade chamada Jericó, esse local tinha muralhas bem altas ao seu redor. Josué, quando viu a muralha pensou ser impossível atravessar aquele local, pois dentro dele havia homens armados com flechas, catapultas, dentre outras armas. Mas, Josué ao invés de desistir e voltar ele se coloca na presença de Deus e isso fez toda diferença para ele, pois Deus disse: Josué, eu vou te entregar Jericó, você vai pegar a Arca da Aliança e andar uma vez por dia durante seis dias ao redor da muralha com a Arca. No sétimo dia, você vai dar a volta e gritar com o povo de Deus, você vai tocar as trombetas de chifres de carneiro e eu lhe garanto que a muralha vai cair. O povo acreditou, bem como Josué que fez tudo aquilo que lhe foi pedido. No sétimo dia, a muralha caiu e a terra prometida foi conquistada. Por isso celebramos o Cerco sendo seis dias mais um, não falamos sete dias, pois são seis dias em que estamos andando pedindo por nossa graça, acreditando em Deus e o sétimo dia é que aquela muralha, ou seja, o nosso problema cai com o clamor da oração. Josué nem precisou lutar, quando eles gritaram a Deus, o Senhor já tinha entregue Jericó ao povo. Eu até falo muito aqui no Santuário, nós não estamos nos reunindo aqui essas sete noites, para pedir graças. Estamos nos reunindo durante essa semana para pedir a Deus que nos dê o Dom da perseverança para que estejamos de pé no momento da graça, pois temos certeza de ela vai chegar. Josué não andou em volta da muralha para que ela caísse, ele andou porque ele sabia que ela ia cair, quero dizer que essa é a certeza que move o cristão” explica.
O sentindo de o Cerco durar os sete dias, é que no sétimo dia Deus irá agir sobre a muralha de cada um. E principalmente sobre a fé daqueles que nele creem, “as pessoas me perguntam muito se elas precisam vir à celebração durante os sete dias, mas, tem casos que no primeiro dia a muralha da qual a pessoa clama ao Senhor que seja derrubada, de fato cai, então depende da fé com que se pede” finaliza.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.