terça-feira, 18 de Janeiro de 2011 00:00h

Chuvas deixam estragos e nível do rio preocupa ribeirinhos


Flaviane Oliveira
flaviane.oliveira@gazetaoeste.com.br

Apesar do sol forte que se instalou em Divinópolis no início desta semana, moradores ainda contabilizam os estragos deixados pelas chuvas dos últimos dias. Casas alagadas e alguns desmoronamentos são marcas deixadas na Cidade do Divino e a possibilidade de enchente não está descartada.

De acordo com a Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG), desde a sexta feira da última semana, o nível do rio se mantém instável. Na sexta feira (14) o nível das águas ficou em torno de 3.60 metros acima do normal. Já no dia 15, após medições, foi constatado que a água atingiu a marca dos 3.90 metros. No domingo, foi registrada a maior elevação no nível do Itapecerica, com 4.10 metros acima do habitual. Até a tarde de ontem (17), com a redução das chuvas, o nível fechou em 3.88 metros.

No Bairro Porto Velho, grande parte dos moradores se encontra apreensiva, de forma que a água do rio já se encontra próximo ao passeio do calçadão.

DESABAMENTOS
As chuvas do fim de semana causaram sérios danos a uma residência localizada no Bairro Niterói. Na manhã de sábado, o Corpo de Bombeiros e Defesa Civil foram acionados ao local. Grande parte da residência veio ao chão, porém não houve feridos.

Ainda neste fim de semana, grande quantidade de terra cedeu em um dos trechos da MG-050, fazendo com que a via fosse interditada. A movimentação só foi normalizada no local após a concessionária responsável fazer a retirada da terra e a limpeza do asfalto.

Em diversos bairros, houve alagamentos. Alguns moradores ficaram ilhados nas residências. De acordo com a assessoria de comunicação do Corpo de Bombeiros, neste fim de semana, número significativo de ocorrências foi registrado graças às chuvas intensas na região.

DEMOLIÇÃO
Uma casa na Vila Olaria, que estava com risco de desabamento, foi demolida pela prefeitura para evitar que caísse sobre outras casas e que outras pessoas venham a ocupassem. A família que morava no local já foi removida pela prefeitura sendo conduzidas a um imóvel locado pelo municipio.

De acordo com a assessoria de comunicação da prefeitura, esta foi a primeira demolição realizada em 2011 e contou com o trabalho de sete funcionários da Defesa Civil. A família retirada do local antecipadamente de maneira pacífica e com toda a mudança realizada por servidores da prefeitura, agora se encontra em local seguro. Uma demolição como esta realizada em área de risco foi executada com muito cuidado para não causar danos em outras residências.

USINAS
Devido ao grande volume de chuvas registradas desde o fim do último ano, a Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) abre os vertedouros de diversas barragens no estado.

De acordo com o Centro de Climatologia da CEMIG, em dezembro do ano passado choveu menos do que no mesmo período de 2009, porém, a maior parte das chuvas de dezembro, ocorreu a partir do dia 24. O que acabou ocasionando tantos desastres no estado. No período que compreende as datas entre 24 de dezembro e 14 de janeiro, choveu em algumas localidades da Zona da Mata a quantidade esperada para os dois meses. Diversas usinas da CEMIG estão com os vertedouros abertos, porém sem causar qualquer problema ou risco para as comunidades próximas. A assessoria de comunicação da CEMIG afirma que na Usina Hidrelétrica de Três Marias, que fica na região central do Estado, o nível de armazenagem do reservatório já subiu mais de 15% desde o natal.

Recentemente, em Divinópolis, uma das fortes chuvas alcançou 62 mm de precipitação em apenas oito horas. A vazão que chega ao rio Itapecerica aumentou significativamente assim como a vazão da Barragem de Cajuru, que passou então a controlar o nível do rio abaixo evitando problemas para as cidades de Pitangui, Conceição e São Gonçalo do Pará.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.