quinta-feira, 24 de Setembro de 2015 11:40h Atualizado em 24 de Setembro de 2015 às 11:46h. Thais Fernandes

Comemoração do Dia Nacional do Portador de Marca-passo acontece no hospital São João de Deus, em Divinópolis

Foi comemorado no Hospital São João de Deus, na manhã desta quarta-feira (23/09)

O Dia Nacional do Portador de Marca-passo, no qual médicos e profissionais da área da saúde realizaram uma campanha com o tema ‘Tome Uma Medida De Pulso’, em que orientaram a população como identificar alterações nos batimentos cardíacos, que podem indicar arritmias e outras diversas doenças cardíacas. Além da palestra e da aferição da pressão, os profissionais ensinaram aos presentes como medir a frequência cardíaca de forma bastante simples, através do pulso. Houve também a distribuição de cartilhas explicativas, e o esclarecimento de dúvidas abordadas pelos pacientes.
A coordenação da campanha ficou a cargo do médico cardiologista e arritmologista, Dr. Daniel Soares Sousa, com a participação de alunos da Universidade de Itaúna e profissionais da área.
O Dr. Daniel comentou a campanha “O objetivo da campanha do Dia do Portador do Marca-passo, na verdade, é uma campanha nacional, que está acontecendo no Brasil inteiro hoje, dia 23/09. Todo ano se comemora o Dia do Portador do Marca-passo, então, o objetivo principal da campanha é desmistificar o marca-passo, é mostrar para a população geral e, principalmente, pra que tem o aparelho, que o marca-passo não é um bicho de sete cabeças, quem tem o marca-passo tem uma vida normal, pode fazer um tanto de coisas que acha que não pode, então, a ideia principal é mostrar para a população que tem marca-passo, o que é verdade e o que é mito e relação a ele”.
O marca-passo é um pequeno e leve dispositivo de metal, que é usado para estimulação elétrica, que consiste em um gerador de pulsos e eletrodos. Ele é capaz de perceber a atividade cardíaca, como também, a ausência desta atividade, quando a ausência é percebida pelo aparelho, este libera um impulso elétrico, que chega ao coração através dos fios que os ligam, sendo assim, o musculo se contrai e volta a trabalhar como deveria. Segundo o Dr. Daniel, o marca-passo é indicado para pacientes que sofrem de arritmia ou insuficiência cardíaca, seja de origem hereditária ou consequência de algum distúrbio, como, por exemplo, o infarto. Informou também que o aparelho pode ser necessário a pessoas de qualquer idade, dependendo apenas da gravidade da situação, sendo que, de qualquer forma, hoje no Brasil, a maioria é implantada em pacientes idosos.
  O portador do aparelho de marca-passo pode ter uma vida normal, claro que com algumas medidas de segurança, “uma das principais dúvidas de quem tem marca-passo, é em relação aos eletrodomésticos. Pode usar geladeira, pode usar micro-ondas, pode usar ferro de passar, controle remoto, pode ver televisão? Resumindo tudo isso, pode, não existe nenhum eletrodoméstico, como telefone sem fio também, que é contra indicado, ou seja, todos eles podem. As grandes ressalvas que a gente faz em relação ao celular é que pode falar, mas como o marca-passo é colocado na região do ombro e do peito, quem tem marca-passo basta usar o celular do lado contrário ao aparelho, a mesma coisa em relação ao telefone sem fio, e uma outra restrição é em relação ao micro-ondas, a pessoa que tem o marca-passo pode usar normalmente, mas quando o micro-ondas estiver em funcionamento, a pessoa se afasta um pouquinho e depois volta pra retirar o que ela colocou dentro do micro-ondas”,  informou o Dr. Daniel.
O portador do marca-passo não pode passar pela porta giratória dos bancos, ou passar por revista eletrônica de metais, conforme repassado pelo doutor, “outra restrição ao portador do marca-passo, que é uma das mais habituais de a gente ver na prática, é em relação à porta de banco, aquela porta giratória de banco, que é uma porta de detector de metal, quem tem marca-passo não pode passar por aquela porta, primeiro porque o marca-passo é um metal, então a porta vai travar quando um portador do aparelho passar por ela, além dela travar, existe um magnetismo, um campo magnético nessa porta, que pode vir a alterar o funcionamento deste, então existe uma lei federal que dá o direito a quem tem o marca-passo passar por uma porta lateral, o agente do banco deve abrir uma porta lateral para a pessoa não ter que passar por esta porta giratória” ressalta.
A paciente, Renata S. de Oliveira Fernandes, 41 anos, esteve no local e nos contou que colocou o marca-passo há dez meses, devido uma arritmia, que foi descoberta durante o trabalho de parto, a mesma teve uma elevação na pressão, que desencadeou esta patologia, segundo os médicos, a arritmia não teve correlação com o parto, ou a gravidez, essa arritmia teve origem genética e poderia ter sido descoberta a qualquer momento de sua vida. Segundo a mesma, a colocação do marca-passo não atrapalhou em nada no seu dia-a-dia. “Não atrapalhou em absolutamente nada, vida normal” ressalta.
Durante o evento, foram distribuídas cartilhas educativas, com informações para amigos, familiares, portadores e até mesmo para os curiosos. Com acesso fácil e de conteúdo importante, a cartilha está disponibilizada no site do Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial (DECA), www.deca.org.br, onde possui também diversas informações sobre a cirurgia e a implantação do dispositivo.

Números
Segundo dados do Censo Mundial de Marca-passo e Desfibriladores, o Brasil perde nesses procedimentos para países vizinhos, como Argentina, Uruguai e Chile. Por aqui, são implantados 199 dispositivos móveis por milhão de habitantes, enquanto no Chile, são 216, na Argentina, 382, no Uruguai, 578 e em Porto Rico, 606 marca-passos por milhão de habitantes.
Em países desenvolvidos, esses números são ainda mais expressivos: 746 na Espanha, 762 em Portugal e 1.126 marca-passos por milhão de habitantes nos Estados Unidos. Na França, são 1.019, na Itália, 1.048 e na Alemanha, 1.267.

 

Créditos: Thais Fernandes

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.