sexta-feira, 11 de Março de 2016 09:48h Atualizado em 11 de Março de 2016 às 09:51h. Jotha Lee

Concessionária desconhece alterações no projeto do trevo do bairro Bom Pastor

Nascentes das Gerais informa que duplicação do anel rodoviário está em ritmo acelerado

A queda de braço que vem sendo travada entre a concessionária da MG-050, AB Nascentes das Gerais, e os moradores dos bairros marginais à rodovia na região nordeste da cidade, teve mais um capítulo essa semana. O projeto de duplicação de mais um trecho do anel rodoviário, cuja obra foi iniciada no ano passado com previsão de entrega para janeiro de 2017, encontra resistências, especialmente o trevo de acesso ao bairro Pastor pela Avenida JK e ao bairro Candelária. De acordo com uma Comissão que representa os moradores, o projeto do trevo vai tornar ainda mais difícil o acesso aos bairros da região nordeste. Um novo projeto foi elaborado pela Comissão, que pretende submetê-lo à Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop).

 

 


Essa semana, ao apresentar o projeto para a imprensa, o jornalista João Chaves, integrante da Comissão de Moradores, disse que recebeu do secretário de Transportes e Obras Públicas, Murilo Valadares, a promessa de que a obra não terá continuidade se não houver consenso quanto ao projeto. Disse ainda que o projeto inicial do trevo do Bom Pastor, apresentado em audiência pública em 2014 pela Nascentes da Gerais, havia sido vetado pelo governo. Afirmou ainda que a concessionária havia feito um segundo projeto e já estaria pronta para executá-lo, sem conhecimento da comunidade. “Não houve audiência pública, não houve discussão, a comunidade não sabe de nada”, disse. João Chaves disse que o empresariado, que trabalha às margens do anel próximo ao trevo do Bom Pastor, aprova a proposta elaborada pelos moradores.

 

 


Em nota, a Nascentes das Gerais desmentiu que tenha ocorrido qualquer alteração na planta do trevo de ligação do anel rodoviário ao bairro Bom Pastor. “Considerando que o projeto executivo elaborado por empresa projetista especializada em rodovias atende tecnicamente as demandas do tráfego existente para o local, a Nascentes das Gerais informa que, sobre o trecho da MG-050 na região do Candelária e o trevo de acesso à Avenida JK, no perímetro urbano de Divinópolis, não há alteração no projeto que já foi apresentado à comunidade em audiência publica em dezembro de 2014 e está em fase de ajustamento do cronograma de obras junto à Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas de Minas Gerais – Setop”, afirmou.

 

 


OBRAS
Em nota anterior, a concessionária garantiu que as obras de duplicação da rodovia, independente dos questionamentos ao projeto, estão em ritmo acelerado. Segundo a Nascentes das Gerais, em Azurita, distrito de Mateus Leme, na região metropolitana de Belo Horizonte, começou a construção da nova ponte sobre o Ribeirão Cachoeira, no km 72,9. Por conta da presença de homens e máquinas na pista, a concessionária implantou desde o último sábado a operação pare-siga. A previsão é que o tráfego retorne ao normal em 30 dias.
Já em Divinópolis, em razão do avanço da construção do novo trevo de acesso à BR-494, obra integrante da duplicação do anel rodoviário, desde terça-feira, motoristas que seguem para Nova Serrana estão se utilizando de um percurso alternativo. Os usuários que seguem no sentido Belo Horizonte e vão deixar o anel para ganhar a 494, agora realizam a manobra no quilômetro 124,3, cuja intercessão começa no canteiro de obras, próximo ao Bairro Serra Verde. Foi implantada sinalização completa para orientação dos motoristas. 

 


O gerente de operações da Nascentes das Gerais, Marcelo Aguiar, destaca que a obra prevê o menor impacto possível para os usuários, mas que para o prosseguimento das intervenções, as alterações no tráfego são inevitáveis.  “O benefício com a conclusão da obra será enorme”, garante. “A estimativa é que o novo dispositivo no trevo de acesso à 494 esteja concluído em até 90 dias”, acrescenta.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.