sexta-feira, 15 de Junho de 2012 13:50h Flaviane Oliveira

Consumidor deve ficar atento com pneus reformados

Muitas vezes, se o pneu não for reformado da forma correta, pode representar riscos para a segurança do motoristas e passageiros. O Inmetro estabelece uma série de regras para garantir a qualidade da reforma

Comprar pneus reformados nem sempre pode significar economia. Muitas vezes, se o pneu não for reformado da forma correta, pode representar riscos para a segurança do motoristas e passageiros. O Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) estabelece uma série de regras para garantir a qualidade da reforma desse produto fundamental para todos os veículos.

 


Basicamente são conhecidos três processos de reforma de pneus, a recapagem, quando é trocada somente a parte do pneu que fica em contato com o solo, a recauchutagem, em que a lateral também é trocada e ainda a remoldagem, quando há remoção e troca de todo o revestimento da borracha. Outro processo conhecido e não indicado e considerado ilegal é a frisagem, em que o pneu recebe novos frisos. Além disso, as empresas reformadoras também precisam receber uma certificação comprovando a capacidade técnica para realizar esses serviços.

 

Em entrevista à Assembleia Legislativa de Minas o coordenador do Procon Assembleia, Marcelo Barbosa falou dos cuidados que o consumidor deve ter na hora de comprar um pneu usado, “O primeiro passo para o consumidor que deseja comprar um pneu usado é procurar estabelecimentos comerciais regulares ou representantes de determinados fabricantes que tem alvará de funcionamento porque esses estabelecimentos pressupõem-se aí a confiabilidade nesse tratamento e obviamente ao adquirir o produto que tem que ter sua nota fiscal da mesma maneira, ele procurar saber qual foi o tipo de atuação que a fábrica teve no pneu” ressaltou.

 

O dono de uma borracharia no Bairro Porto Velho conta que o custo para reformar um pneu usado acaba fazendo com que o preço de venda chegue a valores próximos ao do pneu novo. Dessa forma, a venda dos pneus reformados tem caído, “Antes eu reformava, agora só vendo os pneus usados porque reformar não compensa,” explica o borracheiro.

 

O coordenador explicou ainda que de forma geral os pneus reformados são vendidos em pontos não indicados, “Em geral os pneus reformados são vendidos em pequenos estabelecimentos de bairro, sem muita infraestrutura” afirma. Nos casos da compra ser realizada em um desses pontos, o consumidor deve exigir uma nota emitida ou recibo, para que se caso o pneu der problema, possa reaver o valor pago ou receber um novo pneu.

 

CERTIFICAÇÃO

 

De acordo com o Inmetro, somente os pneus novos são certificados, pois passam por ensaios, previstos em Regulamento, onde é verificada a sua resistência. Nesses pneus é obrigatório o uso da marca do Inmetro, localizada em pelo menos um dos flancos do pneu e uma seqüência de três números que identifica a empresa fabricante. Vale lembrar que todos os pneus fabricados pela mesma empresa terão o mesmo número de identificação da certificação.

 


O Inmetro determina que os pneus reformados apresentem afixadas de forma legível, estampadas em alto relevo ou em etiqueta vulcanizada na lateral a expressão recauchutado, recapado ou remoldado; a designação da dimensão do pneu, capacidade de carga e limite de velocidade; a identificação do tipo de estrutura ou de construção da carcaça, além da marca do reformador; o C.N.P.J do reformador e outras determinações. Porém o que se sabe é que na maioria das vezes, essas normas não são respeitadas.
 

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.