terça-feira, 13 de Janeiro de 2015 09:35h Atualizado em 13 de Janeiro de 2015 às 09:38h. Pollyanna Martins

Consumidora encontra rato em caixa de suco em Divinópolis

A manicure rasgou a caixa por desconfiar de “pedaços de papel” que saiam da embalagem

A manicure Cristina Mendes da Silva levou um susto na tarde desse domingo ao abrir a embalagem de um suco que tinha comprado em um supermercado de Divinópolis. Segundo a manicure, ela comprou quatro caixas de suco da marca “Bela Ischia”, como de costume, mas ao abrir a primeira caixa notou algo de errado com o líquido. “Eu comprei quatro caixas de suco, mas abri só uma. A hora que a gente foi colocar o suco no copo estava saindo alguns pedaços parecidos com papel rasgado. Meu marido desconfiou e cortou a embalagem”, relata.
Conforme Cristina, ao cortarem a embalagem ela e o marido encontraram o roedor dentro do suco. “Quando o meu marido cortou a caixinha nós vimos o rato lá dentro. A sorte é que ninguém bebeu. Como nós achamos estranho o jeito que o suco tava, ninguém bebeu. E as outras três caixas estão fechadas”, detalha.
A consumidora conta ainda, que ligou para empresa de imediato, mas não conseguiu entrar em contato. Na manhã de ontem, funcionários da empresa retornaram as ligações e alegaram que vão buscar a embalagem para ser enviada ao laboratório para análises. “Agora eu não tenho nem coragem de comprar suco mais, porque a gente fica com medo de comprar e ter algo lá dentro”, lamenta.

 

EMPRESA
A empresa, que é fiscalizada pelo Ministério da Agricultura, alegou através da gerente de qualidade e responsável técnica Aline de Souza que é improvável que o roedor tenha entrado na embalagem. Segundo a gerente, a empresa vai fazer uma investigação do caso, recolher o produto e dar o suporte necessário para a consumidora. Assim que concluída a investigação a empresa enviará para a consumidora uma cópia do laudo técnico, detalhando o que aconteceu.

 

DIREITOS
Em casos como este, o consumidor deve entrar em contato com a Anvisa através do número  0800-642-9782 ou registrar uma ocorrência no Procon de sua cidade. O consumidor terá direito a solicitar, à sua escolha: a substituição do produto por outro da mesma espécie em perfeitas condições de uso, a restituição imediata da quantia paga, monetariamente atualizada, sem prejuízo de eventuais perdas e danos.
São considerados impróprios para o consumo os produtos cujos prazos de validade estejam vencidos, os deteriorados, estragados e que apresentem características (sabor, cheiro, aparência) diferentes do habitualmente esperado como, por exemplo, produtos mofados, com embalagens estufadas e etc. E os que apresentem alguma contaminação física (inseto, parafuso, fios de tecido, cabelo) e presença de sujeira não identificada (pontos pretos que não são da composição do alimento), quantidade/peso diverso da indicada na embalagem.

 

PROBLEMAS DE SAÚDE
Caso o consumidor tenha problemas de saúde como cólicas, vômitos, enjoo e diarreia, além de outras doenças causadas pelo produto estragado, deverá procurar atendimento médico solicitando relatório indicando qual o diagnóstico. É importante que o consumidor informe o histórico do problema de saúde, mencionando quanto tempo após o consumo apresentou os sintomas e quais são eles.
Nestes casos, o consumidor terá direito a ressarcimento, além de reembolso de despesas com atendimento médico e medicamentos, desde que comprove que o problema foi decorrente do consumo. Para que tenha direito ao ressarcimento o consumidor deverá apresentar os documentos (notas fiscais, cupons ou recibos) relativos aos gastos que pretende pedir.

 

Crédito: Arquivo pessoal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.