terça-feira, 10 de Fevereiro de 2015 09:18h Atualizado em 10 de Fevereiro de 2015 às 09:28h. Lorena Silva

Conta de energia pode ficar ainda mais cara a partir de março

Com proposta da Aneel, bandeira vermelha pode passar de R$ 3 para R$ 5,50.

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou na última sexta-feira uma proposta que aumenta em mais de 83% a taxa extra das bandeiras tarifárias, que já vigora no país desde o dia 1º de janeiro. O sistema de bandeiras tarifárias – que são sinalizadas pelas cores verde, amarela e vermelha – indicam as condições de geração de energia no país e funciona como um semáforo de trânsito, apontando nas contas de energia o custo da geração para o consumidor.
Pela proposta, a bandeira verde permanece inalterada, o valor da taxa extra aplicada pela bandeira amarela sobe de R$ 1,50 para R$ 2,50 a mais por cada 100 quilowatt-hora (kWh) – um acréscimo de 66,66% – e o da bandeira vermelha, de R$ 3 para R$ 5,50 – aumento de 83,33%. De acordo com a Agência, a mudança será debatida em consulta pública e, depois, volta a ser analisada pela diretoria da agência. Se mantido o texto original, a elevação começa a valer a partir de 1º de março.
A Aneel explica que o uso das bandeiras tarifárias é uma forma diferente de apresentar um custo que já constava na conta e dar ao consumidor a oportunidade de ajustar seu consumo ao preço real da energia. “As bandeiras não criam um novo custo, mas apenas direcionam a parte variável dos custos da energia elétrica. Como o sistema é dinâmico, as bandeiras refletem instantaneamente a variação desses valores nas cores verde, amarela e vermelha, para facilitar o entendimento dos consumidores”, explicou o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.
O diretor-relator da proposta, Tiago de Barros, frisa que não foram criados novos custos e que existem em função do período de seca. Por isso, a proposta visa somente uma forma mais eficiente de cobrir esses valores, que passariam a ser refletidos nas bandeiras. “O importante é que uma resposta consciente dos consumidores a esse sinal de preço mais realista pode reduzir a pressão da demanda sobre o setor e levar à retirada das bandeiras vermelhas”, ressaltou.

 

ARRECADAÇÃO
De acordo com a proposta apresentada, com o reajuste, a expectativa é que através das bandeiras sejam arrecadados R$ 7,2 bilhões a mais nas contas de luz em 2015. Com os valores atuais – que são de R$ 1,50 para a bandeira amarela e R$ 3 para a vermelha –, a arrecadação total no ano era estimada em cerca de R$ 10,6 bilhões. Já com os aumentos ela subiria para R$ R$ 17,885 bilhões.
Com informações do G1

Sugestão de ilustração com desenho das bandeirinhas
Com a mudança, como ficariam os valores das bandeiras:

VERDE
- Condições favoráveis de geração de energia.
- Permanece sem cobrança.

AMARELA
- Condições menos favoráveis de geração de energia.
- Tarifa passaria de R$ 1,50 para R$ 2,50 a cada 100 kWh.

VERMELHA
- Termelétricas operando. Custo de energia mais caro.
- Tarifa passaria de R$ 3 para R$ 5,50 a cada 100 kWh.

 

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.