terça-feira, 13 de Setembro de 2016 17:53h Pollyanna Martins

Copasa apresenta início das obras da ETE Itapecerica

As obras custarão R$ 240 milhões e devem ser concluídas em dois anos

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) apresentou na manhã de ontem (12) o início das obras da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Itapecerica. Após dois anos de atraso, as obras, que custarão R$ 240 milhões, devem ser concluídas em dois anos. Segundo o Diretor de Operação Sul, Frederico Lourenço Ferreira Delfino, dois fatores culminaram no atraso da obra. O primeiro fator foi na fase do processo de contratação da Parceria Público-Privada (PPP), pois houve questionamento do segundo colocado do processo de licitação. “Teve uma ação na justiça e, até o desenrolar dessa ação, nós tivemos que ficar com o processo suspenso”, explica.

O segundo fator que resultou no atraso da obra foi a cassação das licenças ambientais da Copasa para construir a ETE no bairro Candelária. De acordo com Frederico, após a cassação das licenças ambientais, a companhia teve que buscar toda a documentação a partir do zero e, assim, iniciar as obras. “Nós tivemos que buscar todo o licenciamento ambiental a partir do zero, o que atrasou também a obtenção de licenças, que são fundamentais para uma obra do impacto da ETE Itapecerica”, esclarece. Conforme a companhia, serão implantados 8 quilômetros de redes coletoras, 106 quilômetros de interceptores, 20 estações elevatórias de esgotos, além da ETE em Ermida. Ainda segundo a Copasa, juntando os 10% já tratados na ETE do Rio Pará e as ETEs em Divinópolis e Ermida, a cidade terá tratamento de 100% dos esgotos coletados. Segundo o Diretor de Operação Sul da companhia, a primeira fase da obra deve durar três meses e, após o período de terraplanagem, será feita a fundação e implantação de concretos e estruturas da ETE. “Ao mesmo tempo, nós vamos iniciar as intervenções na malha urbana, na cidade, que é a implantação de rede coletora e interceptores”, informa.

As obras da ETE Itapecerica começaram no dia 24 de agosto, logo após uma decisão tomada em uma reunião de conciliação ocorrida ontem em Belo Horizonte, na sede da Agência Reguladora dos Serviços de Água e Esgoto de Minas Gerais (Arsae), no dia 4 de agosto. Pelo contrato, a Copasa deveria concluir a ETE em dezembro deste ano e entregá-la já em funcionamento em janeiro de 2017. Porém, a companhia não compriu o compromisso e alegou diversas dificuldades, entre elas questões jurídicas e a liberação do licenciamento ambiental. Com o prazo para a execução das obras estendido por mais dois anos, o diretor de operação sul disse estar confiante de a ETE ser entregue antes do vencimento. “Nós estamos trabalhando junto com a empresa contratada, para que algumas fases possam ser adiantadas, lógico que existem alguns fatos que nós não conseguimos adiantar, mas o cronograma de 24 meses está garantido”, afirma.

 

PREFEITURA

 

O prefeito de Divinópolis, Vladimir Azevedo, esteve na apresentação da obra e disse que a agenda do início das obras não era a planejada, porém é positiva. Reproduzindo o discurso feito no dia da reunião com a companhia, Vladimir disse que, apesar do atraso, todo o projeto elaborado no início de seu mandato “está valendo a pena”. “Aqui em Divinópolis nós estamos resolvendo [o tratamento do esgoto] entre oito, dez anos. A obra começando agora para valer, valeram os nossos tapas na mesa, as nossas exigências, as nossas notificações. Hoje, o Rio Itapecerica deixa de ser cantado apenas no hino e parte para a salvação efetiva. Dentro de um ano e meio, dois anos, teremos as nossas águas tratadas e despoluídas”, garante.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.