sexta-feira, 10 de Julho de 2015 11:54h Atualizado em 10 de Julho de 2015 às 11:56h. Jotha Lee

Copasa diz que já investiu mais de R$ 52 milhões no sistema de esgotamento sanitário

Companhia anuncia 107 quilômetros de interceptores no sistema de tratamento do Rio Itapecerica

A presidente da Copasa, Sinara Meireles, ainda não tem a data para a assinatura da Parceria Público-Privada (PPP) com o Consórcio FAG, para iniciar as obras de construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Itapecerica. A PPP, na modalidade de Concessão Administrativa, permitirá a ampliação e operação parcial do sistema de esgotamento sanitário de Divinópolis, conforme contrato de concessão assinado entre o município e o governo do Estado em junho de 2011.
Em entrevista concedida à imprensa no dia 2 de julho, o prefeito, Vladimir Azevedo (PSDB), anunciou que até o dia 25 de agosto a presidente da Copasa estará em Divinópolis para assinar a PPP e, em seguida, a ordem de serviço para início das obras. Ontem, a assessoria de imprensa da companhia informou que a data ainda não foi definida.
Enquanto as questões burocráticas não são solucionadas, a Copasa já adotou medidas que permitirão o início imediato das obras tão logo seja assinada a ordem de serviço. De acordo com o chefe do Departamento Operacional Centro-Oeste da Copasa, Maurício Paulo Pereira, a ETE do Rio Itapecerica e o tratamento do esgoto de Santo Antônio dos Campos (Ermida), fazem parte da segunda etapa do processo. “A ETE da Bacia do Rio Pará foi priorizada por se tratar de uma região que tem maior concentração de indústrias, com potencial maior de poluição. Desde que assumimos a concessão, a Copasa começou a se movimentar para colocar seu planejamento em prática, buscando primeiramente o projeto que atenda às demandas da Bacia do Rio Itapecerica e da região de Ermida. O projeto que vai atender à demanda do Rio Itapecerica já está pronto e custou R$ 5,1 milhões”, informou.
Segundo Maurício Pereira, a Copasa está realizando cerca de mil novas ligações residenciais ao ano na rede de esgotos. De junho de 2011 a maio desse ano, foram feitas 3.753 novas ligações e foram implantados mais de 12 mil metros de rede coletora. Segundo ele, o investimento aplicado de junho de 2011 a maio de 2015 no sistema de esgotamento sanitário da cidade já ultrapassa a R$ 52 milhões.

 

ERMIDA
Para o tratamento do esgoto de Ermida, o investimento a ser feito pela Copasa ficará em torno de R$ 20 milhões, com sistema de coleta, interceptação e bombeamento, além de uma ETE no mesmo modelo da estação construída na Bacia do Rio Pará. Serão mais de 20 quilômetros de rede coletora e cinco quilômetros de interceptores. “Essa infraestrutura terá capacidade para atender toda a demanda que existe no momento e o crescimento dos próximos anos da região de Ermida”, informa Maurício Pereira.
A grande obra para Divinópolis será a ETE do Rio Itapecerica que, pelo contrato de concessão, já deveria estar com mais de 66% concluídos. Entretanto, a obra ainda está para ser iniciada, porém não há uma previsão de datas. Ainda faltam a assinatura do contrato com a empreiteira que vai tocar a obra (Consórcio FAG), licenciamentos ambientais e desapropriações. Serão oito quilômetros de rede coletora e 107 quilômetros de interceptores.  A ETE será construída na confluência dos Rios Pará e Itapecerica, local conhecido como Cachoeira do Caixão.
Maurício Pereira admite que as questões ambientais são de solução complicada e lenta, mas não acredita que isso será empecilho para o início das obras da ETE do Itapecerica. “Licenciamento ambiental é um problema muito sério e muito moroso. Mas toda a documentação de competência da Copasa já foi encaminhada, inclusive a área da ETE e a autorização para iniciar a obra já estão nas mãos da Copasa”, garantiu.
Sobre a decisão do juiz Núbio de Oliveira Parreiras, da Vara de Fazendas Públicas e Autarquias, que julgou improcedente Ação Civil Pública proposta pelo Ministério Público para suspensão da cobrança da tarifa de esgoto, Maurício Pereira afirma que há vários outros casos semelhantes no Estado. “Tivemos vários casos de suspensão da cobrança da tarifa de tratamento de esgoto no Estado e em todos eles a Copasa recorreu e ganhou os recursos, comprovando que estava prestando o serviço, como está acontecendo em Divinópolis”, assegurou. 
Mauricio Pereira garantiu, ainda, que a Copasa já está cuidando da desapropriação das áreas para a construção da ETE do Rio Itapecerica. “Já temos o decreto de utilidade pública dessas áreas e agora com processo de avaliação e indenização. Somente a aquisição de áreas, que são faixas de servidão e alguns locais para implantação de unidades de bombeamento e a estação de tratamento, vai atingir um montante superior a R$ 3 milhões que a empresa desembolsará”, finalizou.

 

Crédito: Arquivo/GO

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.