quarta-feira, 17 de Setembro de 2014 06:38h Atualizado em 17 de Setembro de 2014 às 06:42h. Jotha Lee

Copasa inicia amanhã processo de terceirização do tratamento do esgoto

Presidente da Companhia garante que Divinópolis terá mais de 70 quilômetros de interceptores

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) publica amanhã o edital de licitação para a Parceria Público-Privada (PPP) que vai escolher a empresa que terá a responsabilidade de implantação e gestão do sistema de esgotamento sanitário de Divinópolis. Na prática, a Copasa vai terceirizar o serviço, que lhe foi entregue pela Prefeitura em junho de 2011, através de um contrato firmado entre o município e o governo do Estado.


Já a partir do ano passado, a Copasa passou a cobrar embutida na conta de água a tarifa pelo tratamento do esgoto. A cobrança, de 50% sobre o valor do consumo mensal, está sendo questionada pelo Ministério Público Estadual, através de uma Ação Civil Pública, que pede a devolução dos valores cobrados aos consumidores. De acordo com a Ação Civil, a cobrança da taxa só deverá ser feita quando todo o sistema estiver implantado, cuja previsão é dezembro de 2016, para funcionamento em janeiro de 2017.


Indiferente à discussão em torno da legalidade na cobrança da taxa de esgoto e às muitas manifestações populares pelo atraso nas obras, a Copasa inicia o processo de terceirização e garante que esta é a única forma de cumprir o contrato estabelecido com o município. O presidente da estatal, Ricardo Simões, informou que a empresa vencedora da licitação vai implantar a Estação de Tratamento (ETE) do Rio Itapecerica, como também ficará responsável pela ETE de Santo Antônio dos Campos (Ermida). “Isso garantirá o tratamento dos 90% do esgoto de Divinópolis, que corresponde à bacia do Itapecerica, como também vai assegurar o esgotamento sanitário da região de Ermida”, assegurou.


O presidente da Copasa não escondeu que terceirizar o que já foi terceirizado pelo contrato firmado entre a Prefeitura de Divinópolis e o governo do Estado é a única forma possível de cumprir o convênio. “Isso garantirá cumprir aquilo que está no contrato de programa, que é estar com a Estação de Tratamento concluída em dezembro de 2016”, afirmou.


Caso a promessa de Ricardo Simões seja cumprida, isso significa que o esgoto que hoje é lançado 100% no Rio Itapecerica só será totalmente tratado a partir de janeiro de 2017, embora a população já esteja pagando pelo serviço desde o início do ano passado. Até lá, apenas 10% do esgoto sanitário de Divinópolis recebe o tratamento feito pela ETE do Rio Pará, recém inaugurada pela Copasa. Até o início de 2017 o Rio Itapecerica continuará recebendo o mesmo volume de esgoto sem tratamento que recebe hoje.

 


ESTIAGEM
A situação do principal rio responsável pelo abastecimento da cidade, e que hoje está coberto por aguapés em praticamente toda sua extensão urbana, também foi abordada pelo presidente da Copasa. Ele evitou comentar que a poluição facilita a proliferação da planta e usou o mesmo discurso das autoridades locais, culpando a estiagem pela situação.


“Devido a essa estiagem, que não é um privilégio ou uma mazela de Divinópolis, mas um problema que ocorre em toda a região Sudeste do país, mas aqui na região central e no Sul de Minas, a coisa é um pouco mais grave, pois estamos vivendo uma estiagem com parâmetros nunca antes observados”, assegurou Simões.


Ele garantiu que a situação é extremamente crítica em todo o Estado em razão da falta de chuvas. “Isso traz situações como essa, que nós temos visto que é a proliferação de aguapés. Com o tratamento do esgoto que iniciamos pelo Rio Pará e agora vamos estender ao Itapecerica, tende a devolver vida ao Rio”, observou. Segundo o presidente da Copasa, a implantação da ETE do Rio Itapecerica terá 74km de interceptores, mais a estação de Santo Antônio dos Campos, que vão representar investimentos da ordem de R$ 240 milhões.

 

Foto: presidente copasa jotha
Crédito: Jotha Lee
Legenda: Ricardo Simões, presidente da Copasa, disse que os investimentos em Divinópolis chegarão a R$ 240 milhões

CHAMADA
Copasa entrega tratamento do esgoto para iniciativa privada
O tratamento do esgoto, entregue à Copasa em 2011, será repassado pela estatal à iniciativa privada através Parceria Público-Privada cujo processo começa amanhã. Até o início de 2017 o esgoto continuará sendo jogado in natura no leito do Rio Itapecerica.

Foto: rio jotha
Crédito: Jotha Lee

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.