quinta-feira, 4 de Fevereiro de 2016 08:51h Atualizado em 4 de Fevereiro de 2016 às 09:09h. Carina Lelles

Coronel Carvalhaes assume a 7ª região da Polícia Militar

O novo comandante tem no currículo cidades que tinham o índice de criminalidade elevado, como Ribeirão das Neves e Santa Luzia. O ex-comandante, Coronel Laércio dos Reis, foi para a reserva recebendo muitas homenagens

Na manhã de ontem, foi realizada a solenidade de troca de comando da 7ª Região da Polícia Militar (RPM), que abrange mais de 50 cidades do Centro-Oeste e tem como sede Divinópolis. O combate aos crimes contra o patrimônio, como o roubo de veículos, é uma das prioridades do novo comandante.

 

Aos 46 anos de idade, sendo 28 dedicados a Polícia Militar, Coronel Helbert Willian Carvalhaes assumiu o comando da 7ª RPM. Para ele, os desafios são muitos, principalmente os crimes violentos contra o patrimônio. “Começamos a fazer contato com o Ministério Público, Polícia Civil, Polícia Federal e Poder Judiciário para poder começar a adotar estratégias para minimizar o crime violento, principalmente na modalidade contra o patrimônio”, revela.

 


Para tal ação, o Coronel afirma que a área de inteligência da Polícia Militar é muito importante. “As pessoas que atuam no crime contra o patrimônio têm estratégias e temos que fazer o embate com a inteligência. Vamos levantar os alvos e situações, para que a gente possa montar uma estratégia mais profícua para minimizar esta modalidade de crime, principalmente no roubo de veículos. Hoje, o problema grave de Divinópolis é o roubo de veículos. Tenho experiência de 10 anos em estar em regiões que têm o índice de criminalidade alto, como Betim, Ribeirão das Neves e Santa Luzia. Esta experiência que trazemos do comando das unidades destas cidades, temos algumas estratégias para chegar ao combate à criminalidade na região”, afirma.

 


Ao deixar o posto de comandante da 7ª RPM, Coronel Laércio dos Reis vai para a reserva, já que completou ontem 30 anos dedicados à Polícia Militar. No discurso de despedida, se emocionou ao dizer que estava “vestindo a farda operacional pela última vez”.  “Foram 30 anos de dedicação e trabalho, de amor à Polícia Militar. Sinto-me mais que prestigiado em encerrar a carreira em casa, sou de Formiga e encerrar a carreira dentro da 7ª Região é gratificante. Divinópolis me recebeu bem, uma tropa maravilhosa, profissionais dedicados e de resultados”.

 


Sobre os desafios do tempo que ficou à frente do comando, Coronel Laércio destaca que “os desafios da segurança pública hoje são imensos. Cada dia que passa, temos uma complicação maior no que se refere na segurança pública. Não faltou trabalho, não faltou dedicação por parte de cada policial militar. Se os resultados não foram como esperávamos é porque dependemos de outros fatores e órgãos, como a legislação penal ser tão ‘boa’ para os criminosos”, destaca e completa: “Adotamos uma estratégia ousada, inteligente e de muito trabalho para superar e vencer todas as dificuldades, como foi o caso da Operação Fênix, que deu uma nova realidade para a Praça Candidés e ao ‘Carrapateiro’”.

 

 

De comandante para comandante
Ao se referir ao ex-comandante da 7ª Região, Coronel Carvalhaes, afirmou que o Coronel Laércio ressaltou que Divinópolis tem problemas característicos e que o maior deles é o crime contra o patrimônio, principalmente roubo de carros. “Substituir o Coronel Laércio não é nada fácil. Por onde ele passou fez um excelente serviço. Ele é o Coronel com tempo de patente mais antigo da Polícia Militar, vou tentar ser pelo menos no mesmo nível do Coronel Laércio”, elogia.

 


E a troca de elogios foi mútua. “Eu fico muito feliz em passar o comando para o Coronel Cavalhaes, porque é uma pessoa muito habilidosa, uma pessoa de fácil acesso e tem uma experiência muito grande no trabalho operacional da Polícia Militar. Sempre trabalhou em regiões pesadas da Região Metropolitana de Belo Horizonte e não tenho dúvida que ele trará toda esta experiência para aplicar na realidade de Divinópolis. Sei que dará continuidade a tudo o que fizemos de certo e vai melhorar o trabalho da Polícia Militar, para proporcionar mais segurança para a população”, ressalta Coronel Laércio.

 


O Chefe do Estado Maior da PMMG, Coronel Marco Antônio Bicalho, também elogiou os subordinados. “São militares que têm uma experiência de vida variada, como é o caso do Coronel Carvalhaes, que hoje assume o comando da 7ª Região. Ele tem experiência em locais do estado onde a criminalidade era bastante elevada. O Coronel Laércio também é de muita experiência, um profissional ímpar, que passou pelo comando aéreo da Polícia Militar, comandou a região de Uberaba e quando veio para cá desenvolveu um excelente trabalho”, destaca.

 

 

 

Investimentos
De acordo com o Coronel Bicalho, a 7ª Região é muito importante no estado. “Ela é muito representativa, é um dos berços da Polícia Militar e por isso colocar militares capacitados para continuar com o bom trabalho que vem sendo realizado”.
Segundo o Chefe do Estado Maior, o governo autorizou a inclusão de mais três mil policiais em Minas Gerais. “Estamos encerrando o processo seletivo para o início desta inclusão. De imediato já estaremos incluindo cerca de mil policias em todo o estado. Já fizemos uma nova licitação para a locação de veículos, para ter uma frota nova e é um investimento que irá beneficiar todo o estado e proporcionar maior segurança a toda a sociedade mineira”, finaliza.

 

 

 


Coronel Cavalhaes
Helbert Willian Carvalhaes nasceu em novembro de 1969, em Belo Horizonte, é filho de militar, casado e tem quatro filhos. Entrou para a Polícia Militar em fevereiro de 1988, sendo que dois anos depois teve a sua primeira promoção, chegando a Coronel em janeiro deste ano.
Entre as funções que já exerceu dentro da Polícia Militar, está Chefe de Curso de Formação de Sargentos, Comandante da 177ª Companhia de Betim, Sub-comandante dos batalhões de Contagem e Ribeirão das Neves, Chefe do Estado Maior da 2ª RPM e, por fim, comandante do 35º Batalhão de Santa Luzia, de onde foi transferido para Divinópolis.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.