sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2016 09:01h Carina Lelles

Crime contra o patrimônio também é desafio para o 7º Departamento de Polícia Civil

Em reunião realizada ontem em Divinópolis, a Chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Andrea Vacchiano, apresentou novas diretrizes do órgão e disse que os crimes contra o patrimônio requer maior atenção na região

Durante todo o dia desta quinta-feira, a Chefe da Polícia Civil de Minas Gerais, Andrea Vacchiano, e o Conselho Superior de Polícia se reuniram com os policiais do 7º Departamento da Polícia Civil (DPC). Foi uma reunião gerencial, dividida em duas partes.
Segundo a Chefe da Polícia Civil, a primeira parte foi apresentar as novas diretrizes do órgão e as ações que vão ser implantadas em todo o estado. A segunda parte é fazer a análise do fenômeno criminal da área do 7º DPC e saber exatamente como tratar o crime em relação à compra de equipamentos e viaturas, além das ações policiais que, segundo Andrea, é muito efetiva na área. “O 7º Departamento está indo muito bem, tenho que parabenizar o Dr. Ivan e equipe. Estamos tendo operações focando a parte de roubos de veículos e desmanches, além do tráfico de drogas. Todos os policiais estão bastante empenhados. Agora vamos analisar as demandas como efetivo, viaturas especiais, entre outros”, ressalta.

 


Além dos crimes contra o patrimônio (roubos, furtos e assaltos), os homicídios, tentados ou consumados, e o tráfico de drogas também estão em foco. “Quando fazemos um trabalho em cima destas áreas, vemos uma redução do homicídio e do tráfico em toda a área do 7º Departamento, mas temos um aumento nos crimes contra o patrimônio. Os crimes contra o patrimônio correspondem a cerca de 76% da demanda na área do Departamento. Ações estão sendo realizadas no combate”, afirma Dra. Andrea.

 


Com relação a homicídios, na área do 7º DPC, em Santo Antônio do Monte, por exemplo, em 2015 não foi registrado nenhum crime e em Nova Serrana houve redução de 30%, mas em Divinópolis houve aumento deste tipo de crime.
De acordo com o Chefe do 7º Departamento de Polícia Civil, Dr. Ivan Lopes, a taxa de elucidação de homicídios, na área do Centro Oeste do estado, é muito boa. “Em Nova Serrana, por exemplo, 58% dos homicídios cometidos este ano já estão apurados. Em Pompéu, dos 10 homicídios que ocorreram em 2015, todos foram apurados no ano passado mesmo. Divinópolis também tem uma taxa de elucidação muito boa, mas o homicídio é uma investigação que demanda tempo e, às vezes, o que não foi elucidado no ano passado será este ano. O trabalho não cessa”.

 

 

Efetivo
“Posso dizer que o nosso departamento tem muita harmonia entre os nossos policiais. A Dra. Andrea pode levar muita lealdade do nosso pessoal e estamos honrados e agradecidos pela visita. Esta aproximação da chefia com a base motiva ainda mais nosso pessoal”, destaca Dr. Ivan.

 


Mas o Departamento necessita, assim como outros no estado, de mais efetivo e, com relação a isto, Dra. Andrea revela que o pedido do Chefe do 7º DPC será atendido. “O aumento do efetivo é o pedido do Dr. Ivan e este aumento está vindo. Foram nomeados mil novos investigadores, que iniciam no dia 15 de fevereiro na Academia de Polícia e agosto serão designados para várias áreas do estado. Estamos conseguindo a nomeação de 112 peritos e 34 médicos legistas, além de buscar ainda mais o aumento de efetivo”.

 


Além do aumento do efetivo, Dr. Ivan luta por uma sede nova para o 7º DPC, já que a atual é dentro de um shopping. “Esta é uma das demandas do Dr. Ivan, uma sede nova. O 7º Departamento está bem instalado, mas não é a realidade de um shopping Center. Isso já foi conversado com a nossa Superintendente de Planejamento e Finanças pra gente verificar um local adequado. Em breve teremos uma boa notícia”, finaliza Dra. Andrea.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.