quarta-feira, 28 de Outubro de 2015 10:16h Atualizado em 28 de Outubro de 2015 às 10:33h.

Defesa Civil vistoria imóveis atingidos pela chuva

A Defesa Civil de Divinópolis realizou nesta quarta-feira (28/10) vistorias em imóveis afetados em decorrência da chuva do final da tarde de terça-feira (27/10)

A Câmara Municipal e a Escola Municipal Otávio Olímpio de Oliveira foram visitados pelos técnicos da Defesa Civil.

Na Câmara Municipal nenhum dano estrutural no prédio foi constatado, onde três salas apresentaram infiltrações e parte do forro desabou.  Segundo o Secretário Municipal de Operações Urbanas e coordenador da Defesa Civil, Dreyfus Rabelo, a área foi isolada para evitar acidentes. “Vistoriamos o prédio e todo o telhado e nenhum dano foi causado à estrutura. O desabamento do forro de gesso foi causado pelo grande volume de água. As calhas são grandes, porém estavam com muitas folhas, diminuindo a vazão de água e causando essa grande infiltração. A área está liberada e após vistoria do seguro já podem ser feitos os reparos necessários”, disse Dreyfus Rabelo.

O coordenador da Defesa Civil orientou sobre a limpeza da calha e a criação de mais um ponto de escoamento. “É interessante ter mais esse ponto de vazão de água da calha, as chuvas de verão costumam ser fortes com muito volume de água. Pedimos também que seja feita a poda de algumas árvores próxima a parte dos fundos do prédio, para diminuir as folhas que atrapalham o escoamento da água”, ressalta o coordenador da Defesa Civil.

Na Escola Municipal Otávio Olímpio de Oliveira a vistoria averiguou alagamento causado pela chuva. Todo telhado foi vistoriado e nenhum problema foi constatado. “Não há nenhum comprometimento a estrutura da escola. Fomos informados que esse telhado já está no cronograma da Semed para a reforma. O prédio foi liberado, as aulas recomeçam assim que a limpeza do pátio for concluída”, explicou.

Dreyfus Rabelo conta que o trabalho da Defesa Civil é realizado o ano todo para reduzir os danos causados pelas chuvas. Porém, um dos grandes desafios é fazer a população reconhecer a própria responsabilidade na prevenção e minimização dos impactos dos desastres. “O lixo e os entulhos jogados pela rua são os principais responsáveis pelos pontos de alagamento registrados no período chuvoso. Durante o ano limpamos os bueiros e as bocas de lobo, porém os entulhos depositados nas manilhas não conseguem ser retirados e acabam obstruindo as galerias. Precisamos do apoio da população. Quem joga um papel no chão, plástico, garrafas pet ou se utiliza da janela do carro como lixeira está contribuindo para o problema. O lixo jogado nas ruas e calçadas, com as enxurradas, é carregado para os bueiros provocando alagamentos.”, comenta.

O coordenador ainda lembra que nestes dias chuvosos a atenção deve ser redobrada. “Pedimos para as pessoas limparem as calhas de suas residências, retirar os lixos que atrapalham o escoamento da água. Nossa cidade não corre risco do Rio Itapecerica transbordar no momento, pois ele está abaixo da capacidade normal. Estamos atentos as áreas de risco e fazendo todo monitoramento, não tivemos muitos estragos, porém as chuvas estão só começando. Com a colaboração de toda população passaremos esse período chuvoso com o mínimo de estragos”, finaliza.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.