sábado, 6 de Junho de 2020 17:03h Portal G37

Delegados pedem exoneração de cargos e se colocam a disposição das investigação.

A exoneração dos cargos comissionados não interfere em suas funções como delegados, pois são cargos conquistados através de concurso público.

Fernando Rodrigues - Portal G37

 

Os delegados Ivan José Lopes e Leonardo Moreira Pio esclareceram que o pedido de exoneração dos cargos comissionados que exerciam foi uma iniciativa que partiu deles, afim de garantir transparência e imparcialidade nas investigações.

Ao tomarem conhecimento da operação desencadeada por parte do Ministério Público e Corregedoria da Polícia Civil, o primeiro ato foi pedir afastamento das funções de Chefia superior e Delegado Regional, destacaram.

"Estou  certo do trabalho ético que sempre desempenhei à frente de meu cargo e certo também de minha inocência. Assim aguardarei com serenidade as investigações policiais", frisou Leonardo Pio.

Ivan Lopes, disse que não participou de qualquer esquema ilícito e, certamente, com o desenrolar dos fatos, assistiremos à comprovação da verdade. "Lamento pelo sofrimento que tal notícia trouxe a minha família e amigos. Mas como bem disse Jean-Jacques Rousseau: A inocência não se envergonha de nada", completou.

Por fim, ambos registraram que confiam plenamente na isenção e imparcialidade do Ministério Público e da Polícia Civil de Minas Gerais, que conduzirão os procedimentos com lisura e independência que sempre nortearam às instituições.

Os delegados reiteraram que estão a disposição das autoridades para todos os esclarecimentos necessários.

A exoneração dos cargos comissionados não interfere em suas funções como delegados, pois são cargos conquistados através de concurso público.

Abaixo Pedido de Exoneração do Delegado Dr Ivan Lopes.

 

Entenda o Caso:

Operação combate a prática de fraudes no credenciamento de fábricas e estampadoras de placas veiculares no Centro-Oeste de MG

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e a Corregedoria da Polícia Civil de Minas Gerais deflagraram na manhã desta sexta-feira, 5 de maio, a Operação One Way, que tem como objetivo identificar a prática de fraudes no credenciamento de fábricas e estampadoras de placas veiculares, além dos crimes de cartel, associação criminosa, prevaricação, lavagem de dinheiro, dentre outras práticas criminosas, em vários municípios da região Centro-Oeste do Estado. A investigação conjunta do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), Regional Divinópolis, da Promotoria de Justiça de Controle Externo da Atividade Policial de Divinópolis e da Corregedoria da Polícia Civil vem sendo realizada há 7 sete meses.

Foram cumpridos um mandado de prisão, 29 mandados de busca e apreensão, além de medidas de bloqueio de valores, sequestro de bens e suspensão das atividades das empresas investigadas. Os mandados estão sendo cumpridos em Divinópolis, Belo Horizonte, Itaúna, Formiga, Pará de Minas, Bom Despacho, Lagoa da Prata, Santo Antônio do Monte, Itapecerica, Itatiaiuçu e Itaguara.

São alvos da operação policiais civis, fábricas de placas veiculares, empresários e “laranjas”, que emprestavam os nomes para figurar nos quadros societários da empresa de forma a escamotear os reais proprietários dos empreendimentos.

A Operação One Way contou com a participação de seis promotores de Justiça, cinco servidores do MPMG e 70 policiais civis.

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.