quarta-feira, 18 de Maio de 2016 09:38h Atualizado em 18 de Maio de 2016 às 09:42h.

Deputado Fabiano Tolentino afirma que o governo estadual é incompetente com a saúde em Divinópolis

Único hospital a atender pelo SUS em Divinópolis, o São João de Deus enfrenta sérios problemas estruturais e agora corre o risco de perder mais de R$ 1 milhão em recursos do Governo do Estado devido à burocracia

“É uma vergonha a atuação do Governo Estadual no setor da saúde. Travar um montante de mais de R$ 1 milhão para o Hospital São João de Deus devido à troca de secretários, mostra o despreparo dessa gestão. A instituição vem lutando para se manter em funcionamento e estamos fazendo todo o possível para que ela não feche as portas, mas com uma atuação medíocre do estado, fica difícil trabalhar. O governo do PT em Minas é incompetente com a saúde em Divinópolis”, desabafa o deputado estadual Fabiano Tolentino (PPS).

O parlamentar diz estar surpreso com a informação que a verba destinada para o HSJD está travada, já que ele foi um dos participantes da reunião em janeiro desse ano, quando o então secretário estadual de saúde, Fausto Pereira dos Santos, se comprometeu a destinar R$ 4,5 milhões para o hospital.

“No início de maio, houve uma troca de secretários e agora quem ocupa a pasta da saúde é Sávio Souza Cruz e essa mudança acabou se transformando na desculpa para que o governo do estado não cumprisse o que foi prometido”, critica Tolentino, completando: “Espero que novo secretário, que é deputado estadual, procure exercer um trabalho conjunto com a poder legislativo mineiro, o que não ocorreu com o antigo Secretário".

 




Obras paralisadas

Tolentino critica ainda que além das dificuldades em cumprir rigorosamente o que foi prometido com o HSJD, o Governo Estadual também abandonou o repasse de verbas para a finalização do Hospital Público Regional, que está com as obras paralisadas por esse motivo.

“Sei que a saúde é um problema nacional, mas aqui em Divinópolis, ela é uma vergonha. Se o PT realmente estivesse preocupado em atender as demandas necessárias ao invés de mandar pintar farmácias de vermelho, o Hospital Regional já poderia estar prestes a ser inaugurado”, comenta Tolentino.

O deputado realizou uma visita técnica à obras do Hospital Regional em março desse ano, juntamente com o vereador Delano, quando os repasses anunciados pelo Governo Estadual estavam atrasados e eram insuficientes para finalizar a obra e equipar o hospital.

 

 

 

Corporativismo partidário

Tolentino se diz indignado com as declarações feitas pelo vereador de Divinópolis, Edimilson Andrade (PT), afirmando que a população quer saber o que os deputados da cidade estão fazendo para resolver a situação do São João de Deus.

“Isso pra mim se chama hipocrisia, porque eu estava junto com o Edimilson em todas as reuniões, buscando conversar com o Governo do próprio partido do vereador para dar um novo fôlego ao hospital. E agora, ele se manifesta como se eu e outros deputados não estivéssemos fazendo nada e afirma que teve que procurar ajuda de um deputado de fora, que, curiosamente, também é do PT. Só que o vereador não me ligou, não esteve no gabinete e não tentou nenhum tipo de contato. Fica claro que estão fazendo é corporativismo partidário, tentando proteger uns aos outros. Eles estão tentando apontar culpados para desviar a atenção do que realmente é importante”.

 

 



“Essa reação de políticos do PT, pra mim, é um reflexo da provável cassação do governador Fernando Pimentel. Mas essa ingerência não vai perdurar muito tempo. O diário oficial publicou hoje (17) a exoneração da primeira-dama Carolina de Oliveira Pimentel, que foi o resultado de uma ação nossa, e agora é só questão de tempo até que o Supremo Tribunal de Justiça, aceite a denúncia da Operação Acrônimo e o Governador seja afastado do cargo, conforme o Art. 92 da Constituição Estadual, e desta forma acredito que Minas voltará a crescer”, afirma Tolentino.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.