sexta-feira, 23 de Setembro de 2016 12:40h Pedro Gianelli

Deputado Fabiano Tolentino defende mais segurança para produtores rurais de Campos Altos

O Deputado Estadual Fabiano Tolentino (PPS) presidiu uma audiência pública em Campos Altos, região do Alto Paranaíba, durante toda a manhã dessa quinta (22) para debater a falta de segurança dos produtores rurais. A insegurança no município acabou dominando a pauta da reunião, que deveria discutir as cadeias produtivas do café, leite e queijo artesanal.

 

“Esse é um problema que a maioria, se não, todos, produtores rurais de Minas estão enfrentando, que é a falta de segurança. A criminalidade viu nessas áreas uma oportunidade de impunidade e isso não pode continuar. Estamos atuando junto ao Governo do Estado e também à forças de segurança pública para tentar encontrar medidas que possam resolver ou amenizar essa situação”, defendeu Tolentino, que é presidente da Comissão de Agropecuária e Agroindústria da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

 

De acordo com informações da Polícia Militar, foram registrados, entre janeiro e agosto deste ano, 188 furtos na área urbana do município e 33 na área rural. Mas, para o comandante do 37º Batalhão da PM, em Araxá (Alto Paranaíba), o tenente-coronel Arnaldo Pereira Júnior, os números estão subnotificados. “Há uma descrença na capacidade do Estado de dar vazão às demandas da sociedade. Então, as vítimas deixam de levar as informações à polícia. Não deixem de registrar os boletins de ocorrência porque só diante dessas estatísticas será possível planejar ações de repressão e solicitar novas viaturas e o aumento de efetivo”, alertou, completando que a probabilidade de recuperar os bens roubados é pequena, mas, por meio dos dados, é possível identificar rotinas e pessoas que tem cometido crimes.

 

Outro assunto abordado pelo tenente-coronel foi o Estatuto do Desarmamento (Lei Federal 10.826, de 2003), frequentemente apontado como um problema pelos produtores rurais, que alegam não poderem se armar para se proteger. Ele defendeu que é preciso equipar o poder público para responder às demandas de segurança. Nesse ponto, sem revelar números, ele reconheceu que o efetivo na cidade é pequeno e isso faz com que seja impossível manter plantões de 24 horas. Nessa linha, admitiu que isso pode deixar realmente o município inseguro em alguns momentos, especialmente nos fins de semana e à noite.

 

Na sequência das discussões, o delegado da Polícia Civil Vinícius Ramalho Lima também destacou a importância de sempre registrar os crimes ocorridos e adiantou que a região vai receber um novo investigador ainda este ano.

 

Tolentino classificou a reunião como proveitosa e reforçou a necessidade de mais investimentos do poder público nos equipamentos de segurança e no aumento do efetivo policial. Ele citou, ainda, concurso recente da PM, o que pode amenizar o problema, mas defendeu que deve ser feito pelo menos um concurso por ano, já que são necessários dois anos até que o policial esteja preparado para ir para o patrulhamento nas ruas.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.