quarta-feira, 15 de Abril de 2015 11:00h Atualizado em 15 de Abril de 2015 às 11:22h. Bruna Costa

Dia do Desenhista marca busca de reconhecimento para artistas

Hoje se comemora o Dia Mundial do Desenhista. O desenho é uma das formas de expressão humana mais antigas e tinha caráter mítico e religioso, mas isso foi mudando com o passar do tempo

No período do Renascimento, observamos que o desenho era considerado a cópia da realidade, ou seja, os artistas buscavam retratar fielmente o que viam e reproduzindo as impressões por meio de técnicas que foram se aprimorando com o decorrer do desenvolvimento artístico. A isso se deve muitas contribuições de Leonardo da Vinci, considerado por muitos o pai do desenho. E o dia do desenhista foi escolhido em função do seu nascimento, em 15 de abril de 1452.
A data é comemorada em várias partes do Brasil, como Curitiba e Jundiaí, mas artistas locais falam do “esquecimento” que sofrem e esperam que a data seja mais valorizada. “O fazer do desenhista pode parecer brincadeira, mas é um trabalho difícil e merece ser valorizado. Desenhar exige dedicação, estudo, criatividade e muita prática. Marcar a data é reconhecer isso”, observa o desenhista de histórias em quadrinhos e publicitário Dennis Rodrigo Oliveira de Paulo.
Desenhistas, cartunistas, chargistas, ilustradores, designers, programadores visuais e muitos outros profissionais têm ampla área de atuação e produzem outra via de expressão de idéias e sentimentos. Desenho é arte e comunicação, é uma forma de expressão.
E foi por esses fatores que o professor de desenho e pintura Edson Camargos Fernandes desenvolveu sua escola de artes em Divinópolis, além de outros projetos sociais em cidades da região. “Hoje o desenho é para mim o meu dia a dia, meu meio de vida e meu meio de expressão. É minha profissão e tenho o desenho como meio de ajudar pessoas a se desenvolver e até mesmo as crianças, já que o desenho funciona como um aliado na alfabetização”, diz.
O fascínio pelo desenho começa muitas vezes na infância. A criança gosta do papel, do lápis e das cores. Não sabe técnicas, mas gosta de desenhar. O desenhista nasce assim, com lápis e papel – até se encantar com os desenhos animados e histórias em quadrinhos – ou por ver alguém fazendo uma caricatura ou retrato de uma pessoa. Isso desperta a curiosidade e a criança tenta imitar, tenta fazer igual e assim começa a aprender.
Dennis diz que o desenho é um hobby que leva muito a sério, enquanto para Edson faz parte do seu dia a dia, é seu estilo de vida. Dennis foi um autodidata, Edson estudou desde os 14 anos, mas ambos não pararam desde quando começaram a produzir. “É preciso mais divulgação, há algumas datas que ficam meio esquecidas e nesse dia do desenhista seria muito interessante fazer alguma coisa. Precisamos ter mais espaço para poder mostrar esse trabalho”, finaliza Edson.

 


Crédito: Bruna Costa
Crédito: acervo pessoal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.