segunda-feira, 12 de Setembro de 2016 15:55h PMD

Diretor da Copasa anuncia terraplanagem da ETE Itapecerica, explica tarifa e contrato

O Prefeito de Divinópolis, Vladimir Azevedo e o diretor de Operação Sul da Copasa, Frederico Lourenço Ferreira Delfino, concederam uma entrevista coletiva nesta manhã de segunda-feira (12/09), no bairro Candelária, caminho da Cachoeira do Caixão, no encontro do Rio Itapecerica com o Rio Pará. Depois dos serviços de topografia iniciarem, a terraplanagem para as obras de construção da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Itapecerica começaram nesta segunda-feira (12/09).

 

O diretor da Copasa, Frederico Lourenço Ferreira Delfino, foi categórico em afirmar que não houve nenhuma prorrogação de contrato. “Não houve prorrogação de contrato. O que houve foi entendimento com cláusulas contratuais com atraso, fora de controle da Copasa e não poderia causar inadimplemento. Fizemos uma intermediação junto a Arsae [Agência Reguladora do Serviço de Água e Esgoto)”, explicou.

 

No encontro com os jornalistas, Frederico deixou clara a diferença entre taxa e tarifa atualmente aplicadas no município. “Nós não cobramos taxa e sim tarifa. Essa tarifa é regulada pela agência reguladora através de uma legislação especifica. Estamos cumprindo uma exigência do agente regulador na questão do esgoto dinâmico coletado que é praticado aqui”, explicou.

 

Frederico Lourenço também explicou sobre os atrasos das obras. “Foram dois fatos que atrasaram as obras. O primeiro foi na contratação da empresa por questionamento da segunda colocada na justiça e até o desenrolar dessa ação o processo ficou suspenso. O segundo fato foi um entendimento do Ministério Público e a Supram (Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável) para cassação das nossas licenças ambientais. Tivemos que buscar do zero todas as licenças ambientais, que atrasou o início das obras”, disse.

 

O prefeito destacou o empenho da administração para a maior obra ambiental de Minas Gerais sair do papel.  “Quanto assumimos não tinha um rabisco para despoluição do rio. É uma obra começando para valer agora. Valeu o nosso tapa na mesa, as nossas exigências e as nossas notificações junto a agência reguladora. Hoje o Rio Itapecerica deixa de ser discurso político e parte para salvação efetiva e ETE fará o tratamento nos próximos dois anos. É o maior investimento realizado em Minas Gerais nesta área com R$ 240 milhões. Vale dizer em quantas capitais do Brasil e cidades com acima de 200 mil habitantes tem suas as águas despoluídas. Foi nosso comprometimento que este projeto começou e quem vai julgar são as próximas gerações”, disse.

 

Obras

 

Após os serviços de topografia iniciados no final de agosto, os caminhões e máquinas da empresa chegaram nesta segunda-feira no bairro Candelária, caminho da Cachoeira do Caixão, para as obras terraplanagem.

 

As obras, previstas para serem concluídas em até 24 meses, contemplam a implantação de mais de 8 quilômetros de redes coletoras, 106 quilômetros de interceptores, 20 estações elevatórias de esgotos, além de duas ETE Itapecerica e ETE Ermida que, juntas, terão capacidade para tratar 90% dos esgotos coletados em Divinópolis.

 

Frederico Delfino afirmou que a obra contribui diretamente para o avanço de Divinópolis. "Somados aos 10% já tratados na ETE da bacia do rio Pará, a cidade de Divinópolis contará com o tratamento de 100% dos esgotos coletados, garantindo mais saúde e qualidade de vida para a população", ressaltou.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.