sexta-feira, 17 de Abril de 2015 11:06h Atualizado em 17 de Abril de 2015 às 11:10h. Mariana Gonçalves

Diversas obras de infraestrutura serão retomadas no segundo semestre desse ano

Durante visita à sede da Gazeta do Oeste, o vice-prefeito e atual superintendente da Usina de Projetos, Rodrigo Resende, falou sobre as obras que serão retomados em Divinópolis e sobre os trabalhos que deverão começar no segundo semestre de 2015

Embora a economia brasileira não tenha perspectivas de ascensão para esse ano, na medida do possível as prefeituras, em parceria com o governo federal, trabalham para continuar o processo de crescimento das cidades, principalmente das regiões de interior.

 

Gazeta do Oeste - O Pró-Transporte é um dos maiores programas de pavimentação que já aconteceu na história de Divinópolis, as obras foram interrompidas por alguns meses, quando o trabalho será retomado?
Rodrigo Resende - O Pró-Transporte é um recurso do PAC, financiado pela Prefeitura de Divinópolis, juntamente com o Ministério das Cidades e a Caixa Econômica Federal. Já temos obras feitas no Santa Lúcia, Padre Eustáquio, Candelária, Santa Rosa, Dona Rosa e Belvedere. No entanto, nós tivemos alguns pequenos problemas com o período chuvoso, algumas pedras do calçamento que já tinha sido feito começaram a se desprender, então resolvemos parar a linha de frente para voltar e recuperar estes calçamentos. No próximo mês retomamos o calçamento de novos quarteirões, para finalizar o programa nos bairros já mencionados anteriormente. Depois as obras começarão na região do Jardim das Oliveiras, onde até já iniciamos o serviço de drenagem pluvial para receber o calçamento.

 

Durante a execução do PAC Saneamento foram descobertas algumas irregularidades e as ações referentes a esse programa foram paralisadas, com isso diversas famílias ficaram prejudicadas. Mas ao que tudo indica, as obras serão retomadas?
Há dez dias eu estive em Brasília, conversando com o doutor Miguel, que é o gerente nacional de saneamento dentro do Ministério das Cidades. O governo emitiu um decreto em que diz que as obras paralisadas há mais de um ano seriam agora somente complementadas para que seja possível dar funcionalidade ao que já foi executado. A obra do PAC Saneamento aqui em Divinópolis foi interrompida porque tivemos interferências externas. A Controladoria Geral da União (CGU) veio e fez um levantamento onde algumas irregularidades foram apontadas, muitas delas foram até justificadas e a CGU concordou, nisso ainda ficaram algumas pendências, mas a empresa que estava fazendo a obra teve problemas financeiros e abandonou a obra. Mas nessa minha visita a Brasília conversei sobre esse assunto e tudo indica que não vamos perder esse dinheiro que já estava disponibilizado para o programa.

 

O que é o Programa BDMG Urbaniza?
É um recurso que conseguimos junto ao governo do Estado. Trata-se de um financiamento de R$ 5 milhões vindos do Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) para pavimentação. Usaremos esse recurso na Rua Alceu Amoroso, será uma ligação importante porque sairá da Universidade Federal de São João del-Rei (UFSJ) Campus Dona Lindu em direção ao novo Hospital Público. Serão em torno de dez quarteirões asfaltados. Esse será o primeiro acesso completamente asfaltado que chegará ao hospital. Claro que precisaremos ainda de outras entradas, inclusive pela BR-494, porque o hospital irá atender a região, então é importante ter esse acesso. Outra obra que vamos fazer é asfaltar a Rua Pedro Pires, passando pela Sete de Setembro, indo até a Amazonas, no bairro São Sebastião. Asfaltar essa região é um sonho antigo dos moradores locais, e com esse dinheiro do BDMG Urbaniza faremos isso.

 

Sobre o Hospital Público, o que ainda falta para encerrar a obra e como está a ligação do município com a nova gestão de Minas Gerais?
O governador pediu cem dias pós assumir a gestão de Minas para conhecer as demandas das cidades e saber onde serão aplicados os recursos do Estado. O Hospital Divino Espírito Santo está com quase 70% das obras concluídas, mas ainda falta muito dinheiro. O recurso da construção do hospital vem exclusivamente dos cofres do Estado. Recentemente recebemos a visita da secretária estadual adjunta de saúde, que veio conhecer o nosso hospital, tenho certeza de que ela ficou maravilhada com o que ela viu aqui. Mas o Estado tem um déficit muito grande dentro da secretaria de saúde, acreditamos que esse ano ainda os recursos voltem a nos ser encaminhados para que possa ser finalizado o hospital, que é de extrema importância para a região Centro-Oeste. Temos plena condição de terminar as obras em meados de 2016, para que ele seja colocado em funcionamento.

 

Os assuntos referentes à transposição ferroviária já vêm se arrastado há tempos, na cidade, o que impede o projeto de ser executado?
A história da transposição ferroviária começa com recurso do governo federal repassado para a Prefeitura, para que ela fizesse uma licitação buscando contratar a empresa que de fato faria o projeto da transposição. A Prefeitura fez a licitação, teve a empresa vencedora que fez os projetos e estes tiveram a aprovação do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), mas quando o projeto  passou pelos órgãos ambientais, há quase sete anos atrás, tivemos que atender a 28 condicionantes dentro desse processo ambiental. Na época o DNIT assumiu a responsabilidade de atender os requisitos ambientais exigidos, isso esteve paralisado nos últimos anos, porém, quando assumi o cargo de vice-prefeito, eu coloquei à disposição do Departamento a nossa ajuda para conseguir atender a todas as exigências ambientais. Atualmente falta atendermos apenas duas exigências. O deputado federal Jaime Martins colocou novamente o recurso de 40 milhões no orçamento para que as obras reiniciem. Existem R$ 8 milhões dentro do Departamento para que se façam todas as desapropriações necessárias, mas isso depende exclusivamente do DNIT. Torcemos que as obras sejam retomadas rapidamente, isso é importante para Divinópolis.

 

Existe uma grande expectativa em cima da inauguração do Centro Administrativo, que foi um investimento feito pela Prefeitura de Divinópolis e com a promessa de economizar com alugueis futuramente.
As obras do Centro Administrativo estão a todo vapor, as pessoas que passam lá na porta podem reparar que os vidros já foram colocados, parte da pintura da frente já foi feita. Claro que lá dentro ainda temos muitas coisas para serem feitas. Tem a parte dos pisos, parte hidráulica e elétrica ainda estão para serem feitas. O cronograma é para que a obra seja entregue no começo de 2016, estamos colocando todo nosso empenho financeiro e técnico nessa obra. Ainda vamos gastar nesse prédio R$ 5 milhões, ficará uma obra muito bonita, funcional e irá diminuir consideravelmente o pagamento de aluguel nos cofres públicos.

 

O Contorno Urbano também é um grande trabalho da Usina de Projetos, como está o andamento das obras?
O contorno urbano na parte de asfalto já está todo pronto, ligando a estrada de Cajuru ao Complexo da Ferradura. Acredito eu que na próxima semana vamos bater a laje de piso do elevado que está sendo feito para a transposição da ferrovia ali junto ao Complexo. Acredito que até julho estaremos dando passagem para as pessoas que necessitam dessa via. É o começo do anel urbano de Divinópolis. Nos projetos que temos na Prefeitura, dividimos esse trabalho em três frentes, a primeira é essa da estrada de Cajuru. A segunda etapa ficará para o futuro, é da Estrada de Cajuru ligando até o aeroporto, e a terceira etapa possivelmente seja feita até antes da segunda etapa, que é a ligação do aeroporto até a BR-494, porque precisamos dessa obra para atender ao Hospital Público. Esse acesso será para, principalmente, trazer mais agilidade para as ambulâncias que virão das cidades vizinhas.

 

Crédito: Mariana Gonçalves

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.