segunda-feira, 6 de Junho de 2016 13:14h Atualizado em 6 de Junho de 2016 às 13:21h. Jotha Lee

Divinópolis pode perder distribuidora de cervejas

Empresa ameaça deixar a cidade por falta de incentivos

POR JOTHA LEE

jotalee@gazetaoeste.com.br

 

 

A saída de empresas de Divinópolis com destino a municípios vizinhos, assunto que tem sido evitado pelas autoridades da cidade que fingem ignorar uma situação que vai se tornando recorrente, pode ter novos capítulos nos próximos dias. Ontem o presidente eleito da Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de Divinópolis (Acid), Léo Gabriel, que toma posse na próxima segunda-feira, revelou que a Brasul, uma das maiores distribuidoras do país, revendedora da Companhia de Bebidas das Américas (Ambev), pode encerrar suas atividades em Divinópolis. Instalada no Distrito Industrial, a Brasul oferece hoje 300 empregos diretos, possui uma frota de 100 veículos e atende a dezenas de cidades da região central do Estado.

De acordo com Léo Gabriel, em função do crescimento da empresa em Divinópolis nos últimos anos e com a ampliação de seu catálogo de bebidas, tornou-se necessária imediata ampliação de sua área de localização. O presidente eleito da Acid garante que há dificuldades em conseguir essa ampliação, pois há algumas dificuldades que dependem de ação política. Gabriel informou ainda que a Brasul já está com tudo pronto para mudar seu endereço para São Sebastião do Oeste, onde, inclusive, já obteve garantias da prefeitura local de incentivos fiscais. Ontem a reportagem não conseguiu contato com a direção da Brasul. O telefone da empresa, informado pelo 102, da Operadora Oi, não atendeu às ligações feitas no período da tarde.

 

 

 

 

 A Brasul começou suas atividades em Abril de 1987 na cidade de Bonfim como preposto da antiga distribuidora Veneza, distribuindo a cerveja Brahma. Em Dezembro de 1987 deixou de ser um preposto e assumiu a distribuição como Revenda, vendendo apenas duas mil dúzias de cerveja e sendo a menor revenda do comercial de Minas e do Espírito Santo.

A revenda começou a crescer a partir de novembro de 2001, quando assumiu a distribuição da marca Antarctica. A partir de Setembro de 2007 a Revenda começa a trabalhar com a marca Skol, tornando-se uma das maiores revendas da Regional Minas/Espírito Santo.

A Brasul está em Divinópolis desde a década de 1990 e é hoje uma das empresas que mais recolhem o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) no município. Além dos 300 empregos diretos, é responsável por centenas de postos de trabalho indiretos. Léo Gabriel disse que a situação ainda pode ser revertida, mas depende de ação rápida e eficaz do poder público.

 

 

 

FIO DE OURO

Outra empresa divinopolitana, a fábrica de calçados Fio de Ouro, que está sendo assediada pelas prefeituras de São Gonçalo do Pará e Nova Serrana, ainda não está com sua situação definida. A fábrica recebeu promessas de terrenos e incentivos fiscais e, como em Divinópolis ainda não houve nenhuma manifestação concreta das autoridades, ainda é grande a possibilidade de a indústria deixar a cidade. Léo Gabriel está intermediando as negociações e garante que vai esgotar todas as possibilidades para manter a Fio de Ouro na cidade.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.