terça-feira, 4 de Setembro de 2012 13:28h Marina Alves

Divinópolis possui poucos livros em Braile

O Braile é uma forma de leitura pelo tato. Uma alternativa para os cegos, os livros devem ser adaptados para possibilitar a leitura. Porém, em Divinópolis o acervo de livros em braile ainda é pequeno.

O Braile é uma forma de leitura pelo tato. Uma alternativa para os cegos, os livros devem ser adaptados para possibilitar a leitura. Porém, em Divinópolis o acervo de livros em braile ainda é pequeno. Disponível apenas na Associação de Deficientes do Oeste de Minas (Adefom), um pequeno acervo atende aos usuários, que fazem empréstimos dos livros em braile. Já na Biblioteca Pública de Divinópolis não há os livros em Braile.

 


João Galvão, que é funcionário da prefeitura cedido para administração da sala de recursos da Adefom, conta que a associação tem um pequeno acervo: “Na nossa sala de recursos na Adefom nós temos 250 títulos de livros, é uma pequena biblioteca. E além dos livros em Braile nos temos também áudio livros, filmes, toda uma estrutura especializada para receber o deficiente visual” conta.

 


No local, os livros podem ser emprestados, conta João: “Esses livros estão disponíveis para todo mundo. A gente faz um termo de empréstimo, determina um prazo e qualquer pessoa pode sim ter acesso. Há também algumas escolas municipais que tem alguns livros. A nossa sala já existe há 20 anos, talvez nós tenhamos mais exemplares”.

 


A Adefom disponibiliza os títulos na sala de recursos da associação: “A sala de recursos tem como finalidade dar suporte ao deficiente em seu estudo. Nós temos um critério lá na Adefom, de que o aluno da sala de recursos estude em escola regular. Por ser uma associação de deficientes, oferecemos suporte a alunos e também  professores de escolas regulares. A gente é muito procurado por professores”, conta.

 


José conta que o acervo sempre é atualizado: “Que eu saiba, é somente a Adefom que trabalha com essa estrutura,mas estamos sempre atualizando o acervo, sempre recebendo livros. E esses livros nós compramos com recursos próprios, alguns chegam de forma gratuita, mas nós sempre estamos comprando também”.

 


José ressalta que a biblioteca é um espaço para leitura e estudo dos deficientes: “Os livros que temos não são só de literatura, temos livros didáticos, dicionários, a Bíblia em Braile, e a gente percebe que esse recurso é pouco procurado, temos que incentivar mais a leitura, pois o deficiente às vezes se acomoda. Mas nós temos um trabalho para incentivar a leitura”, ressalta.

 

 

Trabalho nas escolas

 

Em algumas escolas da cidade, a acessibilidade já é uma realidade dentro de sala. A professora do atendimento educacional especializado em escolas municipais Vera Maria Ribeiro conta como funciona o trabalho: “São cinco escolas municipais que tem a sala de recurso, que atende todos os alunos deficientes que estudam em sala regular. As crianças cegas frequentam a sala regular de ensino, como todas as crianças. Todo o material produzido em sala de aula é enviado para a sala recurso, a gente traduz em braile e devolve para a criança em sala de aula. Esse trabalho é feito mais pelo CAP em Belo Horizonte, que traduz o livro para o Braile. Já o que a sala de recursos faz é o material diário”.

 


A professora conta que a sala de recursos tem um pequeno acervo de livros em Braile: “Nós temos na sala de recursos uma pequena coleção de livros, com escritas normais e em Braile, para que a criança tenha acesso a livros que podem ser lidos por todos. Agora a gente tem contato com uma instituição que tem mais áudio livros”.

 


Por fim, Vera ressalta a importância da inclusão da pessoa com deficiência na sociedade: “Enquanto professora de sala recurso eu faço a troca com a professora em sala de aula. Eu ofereço o material para a criança que não é deficiente ter a oportunidade de passar a mão, sentir e conhecer o braile. E sempre, acessibilidade para todos, para todos conhecerem o Braile e saber como é, como funciona”.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.