terça-feira, 10 de Fevereiro de 2015 09:42h Atualizado em 10 de Fevereiro de 2015 às 09:46h. Pollyanna Martins

Divinópolis registra apenas doze casos de dengue em janeiro

No mesmo período do ano passado foram registrados 97 casos

O Ministério da Saúde divulgou nesse sábado o primeiro balanço de casos registrados de dengue em 2015 e o estudo apontou um quadro preocupante. Segundo o órgão, houve um aumento de 57,2% dos casos notificados de dengue no país no mês de janeiro, comparado ao mesmo período do ano passado. Foram 40.916 notificações no primeiro mês de 2015, contra os 26.017 em janeiro de 2014.
Já Divinópolis segue o caminho contrário do cenário nacional. De acordo com a diretora de vigilância em saúde, Celina Pires, em Divinópolis foram notificados apenas doze casos da doença em janeiro, contra 97 notificados no mesmo período do ano passado.
Após enfrentar duas epidemias de dengue na cidade, a diretora acredita que este resultado positivo em 2015 se deve aos esforços do poder público em parceria com a população. “Esse resultado está ligado principalmente à grande retirada de material das residências de Divinópolis. Foram retirados quase 400 mil quilos de recipientes durante 2014. A grande quantidade de pneus que a nossa equipe retirou do Ecoponto, as limpezas de caixa d’água, as ações de educação em saúde e a intensificação das nossas atividades nas escolas, nas unidades de saúde, com tudo isso nós estamos entendendo que tem a colaboração para a diminuição dos casos em Divinópolis”, considera.
Conforme o Ministério da Saúde, o período de maior transmissão da dengue já começou e é preciso ficar alerta. Entre os doze casos notificados, sete estão na região nordeste de Divinópolis. A diretora orienta à população ficar atenta para o aumento de focos do aedes aegypti, devido às chuvas que começaram em janeiro.
“É sempre importante a população ficar alerta. Quando a gente fez o LIRAa não estava chovendo, nós vimos que os principais depósitos que se encontravam as larvas independiam de chuva, que eram vasos de plantas, fontes ornamentais, vasilhas de cachorro. Agora começou a chover, se os recipientes estiverem nos quintais os focos podem aumentar”, diz Celina.

 

METAS PARA 2015
Para manter Divinópolis longe da epidemia, Celina afirma que as ações de mobilização da população continuam, além de serem feitas parcerias com empresas da cidade. “Para 2015 a ideia é continuar com o que já está implantado e acrescentar parcerias com alguns segmentos como, por exemplo, os proprietários de floriculturas. O que nós queremos é que os proprietários, além de erradicar o problema, sejam também agentes mobilizadores. A gente quer programar com outros segmentos também. Por exemplo, se houver outra epidemia de dengue, as empresas são prejudicadas, sobretudo com a Chikungunya que traz a possibilidade da pessoa ficar doente durante três anos”, explica.

 

DENGUE E CHIKUNGUNYA
A Secretaria de Estado da Saúde tem uma previsão de que todos os municípios venham a ter uma epidemia tanto com a Dengue quanto com a febre chikungunya. É considerado que 20% da população venha a ter uma ou as duas doenças, que podem ocorrer ao mesmo tempo.
Celina explica que como a Febre Chikungunya é recente no Brasil, toda a população está sujeita ao vírus, pois ainda não tem imunidade para enfrentar a doença. “É importante a participação da população porque nós temos pessoas que nunca tiveram contato com o vírus, ou seja, não têm imunidade, está todo mundo exposto. Depois que a pessoa tiver a febre pela primeira vez, ela vai ficar imune, mas por enquanto não”, ressalta.

 

Crédito: Reprodução

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.