domingo, 2 de Outubro de 2016 17:15h Agência Brasil

Eleições no estado do Rio foram marcadas por poucos santinhos nas ruas, diz juiz

As eleições no estado do Rio de Janeiro foram as primeiras marcadas pela diminuição significativa de santinhos – minipanfletos com foto e número do candidato – nas ruas, disse o coordenador de Fiscalização da Propaganda Eleitoral do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ), Marcello Rubioli. Ele considerou exceção o fato de que alguns bairros da capital estarem sujos, mas ressaltou que os candidatos sujões serão punidos.

“Esta é a primeira eleição onde há ausência de poluição visual flagrante”, disse Rubioli. “Tem alguns bairros que estão bem sujos”. Segundo ele, os candidatos que espalharam santinhos vão ser chamados à responsabilidade. “Não é possível que um pretenso administrador, aquele que queira administrar a nossa cidade, já comece sujando aquilo que ele quer guardar”, acrescentou.

Segundo Rubioli, a votação deste domingo (2) ocorreu em clima de normalidade e paz. Ele classificou de pontuais os casos de boca de urna e de poluição eleitoral.

“É verdade que flagramos alguns candidatos e eleitores praticando crime de boca de urna e alguns derrames, que são despejos de material na rua. Mas esses candidatos já tiveram seus nomes apurados e vão ser objeto de uma ação eleitoral para tentar cassar o registro de candidatura por abuso de poder econômico”. Porém, o clima de tranquilidade imperou, disse.

O TRE-RJ recebeu ao longo da campanha eleitoral milhares de denúncias de propaganda eleitoral irregular e de abuso de poder econômico e político. Segundo Rubioli, o assistencialismo foi o grande foco dessa campanha, mas os casos podem resultar em cassação da candidatura, mesmo nos casos em que o político seja eleito. “A grande pena que o político pode ter é perder o seu registro de candidatura e não poder ser diplomado no caso de, eventualmente, ser eleito”, declarou.

Vários candidatos a prefeito e a vereador no estado do Rio de Janeiro, principalmente da capital, estão sujeitos a essa penalidade, revelou o juiz. De acordo com ele, vários candidatos a prefeito e a vereador no estado foram presos fazendo boca de urna. Rubioli alertou ainda que carreatas de candidatos a prefeito na cidade do Rio de Janeiro ocorreram neste domingo, o que também constitui crime de boca de urna. “Isso é inadmissível”, disse.

O coordenador de Fiscalização disse que foi feito um grande acordo de cooperação entre Polícia Civil, Polícia Militar, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Forças Armadas, Ministério Público e o TRE-RJ para que a eleição transcorresse sem nenhum risco para a população e com tranquilidade. “Ocorrências pontuais fazem parte do previsto”, destacou.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.