sábado, 1 de Agosto de 2015 09:54h Atualizado em 1 de Agosto de 2015 às 10:05h. Pollyanna Martins

Eles invadiram o espaço que antes era exclusivo das mulheres e estão dando um show

O espaço que antes era exclusivo das mulheres, hoje foi invadido pelos homens

Quem antes não se arriscava a fritar um ovo, atualmente elabora e refina pratos de dar água na boca. Tudo começa na infância, geralmente vendo a mãe ou a avó cozinharem no fogão a lenha e se torna uma paixão. A história não foi diferente com Robervan Faria, que é “advogado por profissão, especialista em indenizações e cozinheiro por paixão”, como ele mesmo o define. A intimidade com a cozinha começou na adolescência e não parou mais. “Desde os 15 anos começou a minha paixão pela cozinha, foi vendo a minha avó cozinhar, a minha mãe também. No decorrer do tempo eu fui aprimorando as receitas”, conta.
Atualmente, o advogado refina pratos típicos. O amor pela cozinha é tão grande que Robervan criou em janeiro deste ano o blog “Rober na Cozinha”, para disponibilizar as suas receitas. O site já teve mais de 5 mil acessos, incluindo de outros países. Apesar de não ser formado em gastronomia, o advogado garante que talento e dom são o que definem um bom cozinheiro. “Eu tenho o blog de gastronomia, que tem o propósito de mostrar um profissional liberal na cozinha, e incentivar outras pessoas que não são formadas em gastronomia, mas que gostam de cozinhar, a elaborarem pratos de chef. Isso é dom”, detalha.
O advogado refina pratos comuns e conta que estuda para chegar ao resultado desejado. É impossível entrar no blog, ver a receita de risoto de rabada com agrião, e não dar água na boca. Esta é apenas uma de várias outras receitas que foram criadas pelo chef. “Eu sou movido pela cultura de comprar livros. Eu compro muitos livros de receitas, eu trabalho com a criação de pratos e muitas releituras de pratos, como o frango com quiabo”. Para quem pensa que Robervan cozinha apenas em ocasiões especiais, está muito enganado. O advogado cozinha todos os dias, e confessa que vai ao supermercado diariamente. “Não fico um dia sem ir ao supermercado, e vou sozinho também, para a mulher não me atrapalhar. Tem todo um ritual. O homem na cozinha é pura poesia. A cozinha fica diferente quando nós ousamos adentrar neste espaço”, declara.

 

PRATO DA CASA
A paixão pela culinária é tanta que o advogado foi convidado para criar um tira-gosto especial para a final do Prato da Casa. No dia 8 de agosto, Robervan vai servir o “Jiló Cala a Boca em Salsa Marroquina Picante”. O prato vai levar jiló, bacon, salsa, tomate e um mix de temperos marroquinos. “Vou fazer um molho de tomate com 30 especiarias marroquinas em um só tempero, mostarda, limão para o molho ficar bem encorpado. Vou colocar os jilós dentro deste molho para cozinhar de 20 a 30 minutos, e depois vou servi-lo. É um tira-gosto de boteco para tomar com cerveja”, revela.

 

COZINHEIROS EM AÇÃO
Há quem diga que quando o homem vai para a cozinha a comida fica especial. Quem também sabe o que é “colocar a mão na massa”, é o jornalista Vitor Tavares. O jornalista, que também é estudante de gastronomia, foi selecionado com a sua mãe Solange Tavares para participarem da terceira temporada do programa “Cozinheiros em Ação”, exibido no canal GNT. O cozinheiro conta que fez a inscrição para o programa como brincadeira, e ficou surpreso ao ser selecionado. “Para a minha surpresa, eu fui selecionado para participar, e é uma oportunidade única, porque era um hobby que eu resolvi levar um pouco mais a sério”, detalha.
A paixão de Vitor pela cozinha também começou na adolescência. O jornalista sempre via a avó cozinhando e o que começou como divertimento se tornou um dos seus maiores amores. “Eu posso estar cansado, o dia pode ter sido puxado, complicado, posso ter trabalho 14 horas e eu chegar em casa e cozinhar eu esqueço do cansaço. Ir para a cozinha e preparar um prato é algo sublime, cozinhar é uma maneira de amar o outro, eu tenho o maior prazer em ver o outro comendo e perceber o amor e o carinho que a gente coloca naquilo que fazemos”, declara.
Quando questionado se para cozinhar tem que gostar de comer, o estudante de gastronomia é categórico. “Desconfie de cozinheiros magros”, brinca. Vitor revela que pensa em comida o dia inteiro, já toma café da manhã pensando o que vai fazer no almoço e na janta. “Eu gosto muito de inventar, pego a culinária tradicional mineira e aplico técnicas diferentes, gosto de dar uma cara particular. Gosto muito de transformar, pegar o que sobrou do almoço e eu não quero comer de novo, aí eu penso em como pegar aquele resto transformar em algo diferente para fazer na janta.”
O cozinheiro defende que as mulheres já conquistaram seu espaço no mundo, e que os homens devem sim se arriscar na cozinha, além de dividir as tarefas domésticas com as mães, irmãs, namoradas e esposas. “Hoje, os direitos e deveres são muito iguais, as mulheres trabalham fora e os dois dividem as despesas domésticas, assim como as tarefas também. A cozinha é para qualquer um, e o homem quando vai para a cozinha ele costuma cozinhar melhor que as mulheres, porque as mulheres dão conta de pensar em um monte de coisas ao mesmo tempo, e homem como não consegue isso, ele se concentra e fica focado somente naquilo”, ressalta.

 

CHEF
A história de Robervan e Vitor não é diferente do chef de cozinha Sandro Massa. O publicitário também é formado em gastronomia, e conta que vem de família o amor pela culinária. A mãe, a avó e as tias inspiraram Sandro a seguir a carreira de chef. “Quando eu era adolescente, o pessoal me chamava para cozinhar nas festas. Eu cozinho há muitos anos, mas ultimamente que eu me profissionalizei, fiz faculdade de gastronomia e presto serviço para o Sebrae, trabalho como chef em alguns restaurantes.”
Como bom cozinheiro, Sandro também gosta de inventar receitas, ou simplificá-las, como ele mesmo diz. Sandro ressalta que para cozinhar tem que ter amor pelo o que faz. “Independente de ser homem ou mulher tem que gostar de cozinhar. Eu cozinhei com uma senhora que não sabe nada do sofisticado que a gente aprende na faculdade de gastronomia, mas ela me ensinou muita coisa. Agora, quando o homem cozinha, não tem meio termo, ou ele sabe cozinhar, ou não sabe”, avalia.
Cada vez mais os homens estão se arriscando na cozinha. O chef vai lecionar um curso de culinária no Sebrae, e revela que a maioria dos seus alunos são homens. Das 15 vagas disponibilizadas, 10 foram dos garotões que querem aprender mais sobre o universo do sabor. “O curso é de culinária para iniciantes e maioria da turma é homem. Eu lancei o curso e em dois dias a turma fechou.”
Um dos pratos preferidos de Sandro é o risoto. O chef revela que toda semana cria uma receita diferente do prato. O prato preferido do chef de cozinha, que gosta de substituir ingredientes, é o risoto caipira, criado por ele e feito com queijo canastra e linguiça defumada. Para ele, receitas mais simples são ideais para o dia a dia, e o tempero do homem na culinária é diferente. “Eu sou chef de cozinha e sou contra essa ideologia de estar inventando demais nome de prato, inventando demais. Tem pessoas que têm o prazer de dar receitas com ingredientes de que você nunca ouviu falar, parece que procuram uma coisa mais difícil. Eu gosto de receita diferente, mas com ingrediente que você vai ao supermercado e encontra tudo, que não tem segredo”, conclui.
 


Crédito: Arquivo pessoal
Crédito: Pollyanna Martins

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.