quinta-feira, 25 de Agosto de 2011 13:49h Atualizado em 25 de Agosto de 2011 às 14:04h. Liziane Ricardo

Energia elétrica é o que mais pesa o bolso no fim do mês

Pesquisa mostra que 30,9% do gasto das famílias é com energia elétrica

A conta de luz do consumidor mineiro ganhou o maior peso correspondendo a 30,9% das despesas correntes de uma família, o primeiro lugar no ranking daqueles gastos de primeira necessidade para a rotina das pessoas. O dado faz parte da pesquisa de julho da Federação do Comércio (Fecomércio Minas) sobre o orçamento doméstico do consumidor. Nos levantamentos anteriores, o índice foi 20,7% em março e 19,2% em maio.


Dentre os 18 itens essenciais das despesas correntes, os três que mais pesam no bolso são energia elétrica, água e alimentação. Em uma república feminina na região central de Divinópolis, onde residem quatro jovens, o preço da luz varia muito em relação ao consumo de uma residência familiar. Segundo a estudante de farmácia, Flávia Rodrigues, 21 anos, no mês anterior devido duas das quatro garotas estarem fora, a conta veio com valor de R$ 79. “Agora que as férias acabaram e estamos as quatro em casa durante a semana toda, a conta costuma beirar os R$ 99. Usamos muito secador de cabelo, chapa e também a máquina de lavar pelo menos uma vez por semana. Aí acredito que o consumo seja proporcional”, disse.    


Já na residência da copeira Vera Lúcia Rabelo, 62 anos, onde também moram quatro pessoas sendo: ela, o marido, e os dois filhos adultos, ninguém fica em casa de segunda a sexta-feira por estarem trabalhando, e ainda assim o valor da conta de luz é um pouco salgado. “Em média nossa conta fica em R$ 120, mas já tiveram alguns meses que chegou a R$ 150”. Em se comparando com outras casas nas quais permanecem no mínimo uma ou duas pessoas em casa, como no caso da república feminina exemplificada, o valor da conta de luz se apresenta realmente mais pesada no orçamento doméstico dos divinopolitanos.


De acordo com o departamento de economia da Fecomércio Minas, a energia elétrica está liderando o ranking das contas porque as pessoas estão comprando mais eletrodomésticos.  E isso acaba trazendo um comportamento de menor disciplina no consumo, e a energia cara acaba impactando também na vida das pessoas.


Entretanto, a economia pode começar já na compra dos eletrodomésticos. Segundo o Engenheiro de Soluções Energéticas da Cemig, Luciano Jorge Barreto Salum, a dica é olhar os selos do Inmetro/Procel que mostram o consumo em KWh. O adesivo é encontrado nos aparelhos mais novos vendidos no mercado. Mesmo se o produto for mais barato é importante observar quanto ele consome de energia. “Qualidade, bom preço e baixo consumo de energia é a compra perfeita”, completou.
 

A pesquisa da Fecomércio Minas, que entrevistou 400 pessoas, no período de 28 de julho a 4 de agosto, mostrou que 42,7% dos entrevistados estão cortando itens supérfluos para gerenciar o desequilíbrio. Em seguida, estão utilizando a poupança (15%) e tomando empréstimos com familiares e/ou terceiros (12,4%).

 

DICAS DE ECONOMIA


A Companhia de Energia Elétrica de Minas Gerais (Cemig) encaminhou algumas dicas para os consumidores economizarem energia sem desperdícios. O chuveiro é um dos aparelhos que mais consome energia na residência. O ideal é evitar o seu uso no horário de ponta, entre 17 e 22 horas e mantê-lo na temperatura verão. Quanto a iluminação, evite acender lâmpadas durante o dia, prefira as lâmpadas fluorescentes, pois elas duram mais e gastam menos energia.
 

Outro vilão da conta de luz é a geladeira, portanto, evite abri-la frequentemente, retirando de uma só vez os alimentos de que precisa. Não guarde alimentos ainda quentes, e mantenha a borracha de vedação sempre em bom estado. Já em relação as tomadas e fios evite o uso de benjamins, use fios de bitola adequada. Na hora de fazer a instalação, consulte sempre um técnico especializado.E para os computadores, o indicado é que quando não estiver usando, mantenha o monitor desligado e o estabilizador desconectado da tomada. Dê preferência aos notebooks que consomem menos energia, pois um computador ligado durante uma hora/dia consome em média 5,0 kWh/mês.

Leia Também

Imagem principal

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.