quarta-feira, 8 de Abril de 2015 11:08h Lorena Silva

Energia elétrica fica 5,93% mais cara a partir de hoje

Os consumidores mineiros sentirão no bolso a partir de hoje o novo aumento na conta de luz

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) definiu ontem o reajuste de 5,93% para a tarifa de energia da Companhia Energética do Estado de Minas Gerais (Cemig). É a quarta elevação do ano.
Até dezembro, o consumidor residencial pagava R$ 39,64 pelo consumo de 100KW/h (excluídos impostos). A partir de 1º de janeiro, houve acréscimo do sistema de bandeira tarifárias. Com a vigência da cor vermelha, devido ao uso das usinas térmicas, o consumidor paga mais R$ 3 a cada 100KW/h gastos.
Em fevereiro, dois reajustes simultâneos salgaram ainda mais a conta: a Aneel definiu o reajuste extraordinário para cobrir os gastos com o aumento do custo da energia em razão da seca e o preço a ser pago pelo sistema tarifário teve elevação, passando de R$ 3 para R$ 5,50 no caso mais crítico. Com isso, o total da conta do mesmo perfil de consumidor passou para R$ 53,62, alta de 35,26% se somados os três aumentos.
A Cemig prometeu para ontem o repasse à imprensa de um comunicado sobre ao assunto, no entanto, a assessoria da companhia em Divinópolis disse que o comunicado só deve sair hoje.

SUBIU
A Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário (Arsae-MG) se prepara para anunciar a sobretaxa a ser cobrada de quem não cumprir as metas de economia de água. Essa taxa ainda está sendo analisada e deve ser anunciada a qualquer momento pelo governo de Minas.
Em matéria veiculada no Sistema MPA de Comunicação, o diretor geral da Arsae, Antônio Caram Filho, disse que a inflação é considerada no cálculo e, só para repor essas perdas, os mineiros gastarão 8% a mais. Esse foi o índice acumulado nos últimos 12 meses, segundo o IBGE. Além disso, o cálculo contempla os impactos do aumento da energia elétrica nos gastos da Copasa e outros custos da companhia.
Ainda sobre esse assunto, a Gazeta do Oeste tentou contato com a assessoria de comunicação da Arsae-MG, no entanto, o órgão disse que vai se pronunciar somente quando receber o documento do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), com os requisitos constantes da Deliberação Normativa recentemente aprovada.
Os serviços nacionais e internacionais prestados exclusivamente pelos Correios, sofreram um reajuste de 9,329%. A portaria oficializando a medida foi publicada ontem no Diário Oficial da União. O preço de cada serviço será definido pelo Ministério das Comunicações. Qualquer outro reajuste dessas tarifas “somente poderá ser implementado depois de decorridos 12 meses, no mínimo”, informa o texto.
Com o reajuste, uma carta comercial de até 20 gramas poderá custar R$ 1,41, de acordo com o que for decidido pelo Ministério das Comunicações. Um telegrama nacional pré-pago emitido na agência poderá custar R$ 8,50, por página.
Os Correios informaram que os serviços da estatal são reajustados com base na recomposição dos custos repassados à empresa, como o aumento dos preços dos combustíveis, os contratos de aluguel, transportes, vigilância, limpeza e os salários dos empregados. O último reajuste ocorreu em junho de 2014.
As novas tarifas não se aplicam ao segmento de encomendas e marketing direto. Quando o Ministério das Comunicações efetivar os reajustes, as novas tarifas estarão disponíveis na seção Preços e Prazos do site dos Correios.

 

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.