sexta-feira, 4 de Março de 2016 10:05h Pollyanna Martins

Entrada do bairro Nova Fortaleza continua com buracos

Moradores relatam que o problema é recorrente. Basta chover para que crateras se abram na entrada do bairro

As entradas dos bairros Rinaldo Campos, Nova Fortaleza e Nova Fortaleza II continuam com buracos e, ao que tudo indica, sem uma previsão para que o problema seja resolvido. O Gazeta do Oeste já relatou em outras edições a luta dos moradores para que a via seja consertada, e o principal, que o problema não se repita. A primeira vez que a rua ficou danificada foi quando uma cratera se abriu devido às tubulações da Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa). Na época, uma equipe da empresa esteve no local, fez os reparos, mas, algumas semanas depois, a cratera se abriu mais uma vez.

 


Com a volta do problema, no dia 18 de novembro do ano passado, a Copasa informou, em nota, que “o afundamento na pista de acesso ao bairro Nova Fortaleza é decorrente de problema construtivo na rede de esgoto implantada pelo empreendedor do loteamento, a quem cabe a responsabilidade de correção, visto se tratar de vício oculto da construção da rede.” Menos de dois meses depois de a via ter sido reparada, o asfalto cedeu mais uma vez. Quem vai de carro ao local deve ter a atenção redobrada, para que o veículo não tenha danos. A auxiliar de contabilidade, Tatiane Borges de Lisboa, mora há um ano no conjunto habitacional Rinaldo Campos, e relatou que foram só as chuvas de final de ano começarem e o problema apareceu. Os moradores procuraram a Prefeitura de Divinópolis, para que o órgão solucionasse o problema, mas foram informados que, nos próximos cinco anos, a responsabilidade em fazer reparos na infraestrutura é da empresa que construiu o residencial.

 


A auxiliar de contabilidade reclama, porque toda vez que o problema reaparece a construtora responsável pelo conjunto habitacional Rinaldo Campos – Mevra Construtora – tem que ser acionada. Tatiane conta que funcionários da empresa vão ao local, fazem o reparo, mas, logo em seguida, o problema reaparece. “Assim que começaram as chuvas, em novembro, abriram as primeiras crateras. Eles [a construtora] foram lá e fizeram os reparos, mas todos veem que vão abrir novas crateras na rua. Eles ficam fazendo reparos e sempre temos esse transtorno. Arrumam, mas passa um mês já tem cratera de novo”, detalha.

 


Mais uma vez, menos de dois meses de o asfalto ter sido reparado, a rua está tomada por buracos. Desta vez, a via está com boa parte tomada por buracos. Sem outro acesso seguro, pois a rua é paralela à BR-494, os moradores precisam usar o antigo acesso ao bairro, uma pequena rua de terra. “Na entrada do bairro não tem iluminação pública. O pessoal desce na rodovia, e é escuro, perigoso, tem assalto, tem o risco de atravessar a rodovia também. Isso gera um transtorno muito grande”, reclama.

 

 


POSICIONAMENTOS
A Prefeitura de Divinópolis, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que não pode fazer reparos na via, pois se trata de um empreendimento particular. De acordo com a assessoria, a Secretaria Municipal de Obras não pode intervir, porque o residencial não tem as devidas licenças, e se encontra de forma irregular na Prefeitura. “O asfalto foi feito pelo empreendedor, não foi um asfalto feito pela Prefeitura. A Prefeitura só pode fazer algum reparo quando o empreendimento estiver com a situação regularizada”. A assessoria não soube apontar quais são as irregularidades que o condomínio tem com a Prefeitura.

 


A construtora enviou um documento do Departamento Nacional de Infraestrutura (DNIT), da Superintendência Regional do Estado de Minas Gerais, certificando que, em uma visita realizada no dia 10 de dezembro de 2014, “as obras foram concluídas de acordo com o projeto ou modificações efetuadas”. A empresa informou ainda que o Projeto do loteamento do Nova Fortaleza – II foi aprovado antes de 1982, sendo assim, toda a responsabilidade de Infra – Estrutura é da Prefeitura.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.