quinta-feira, 1 de Junho de 2017 09:20h Daniel Michelini

Entrevista com Adair Otaviano

“O maior desafio é conscientizar o cidadão de que o Poder Legislativo é o órgão que fiscaliza e denuncia o que pode estar errado. Já o Executivo, é aquele que faz, que tem o poder de realizar obras”

O vereador Adair Otaviano (PMDB) é o último entrevistado da série produzida pelo Jornal Gazeta do Oeste com os vereadores eleitos em Divinópolis. Ao entrar no quinto mandato consecutivo, Adair Otaviano traz consigo a confiança de 2.389 eleitores, fazendo com que, aos 49 anos, ele fosse um dos cinco remanescentes da última gestão. Nesta entrevista, Adair revela sua indignação com a Copasa, dizendo que, se estivesse no cargo de Vladimir Azevedo, em 2016, teria tomado decisões mais enérgicas quanto à relação com a empresa. Confira.

1) HOUVE UMA GRANDE RENOVAÇÃO QUANTO AOS CANDIDATOS ELEITOS NA ÚLTIMA ELEIÇÃO. COMO VOCÊ VIU ESTE RESULTADO?

A renovação foi total, não somente pelos doze novos vereadores, mas nós, remanescentes da última legislatura, também nos renovamos. A partir do momento em que somos aprovados pelo voto popular, também passamos por uma renovação de trabalho e ideias. Mudar é preciso e importante. Aqueles que não agradaram a população, não retornaram. Tenho o privilégio de ser o vereador mais experiente da Câmara, com cinco mandatos consecutivos. A cada eleição, acontece uma renovação, e dessa vez não foi diferente.

2) NESSES PRIMEIROS MESES DE TRABALHO, QUAIS OS PRINCIPAIS PONTOS QUE VOCÊ DESTACA E QUE DEVEM SER TRABALHADOS FUTURAMENTE NA CIDADE?

Estamos vivendo um cenário difícil na saúde e segurança pública, a nível nacional. E Divinópolis não é diferente das demais cidades do país. Estamos aguardando o Governador para a inauguração do SAMU (dia 06) e há um convite, assinado por todos os vereadores, para que ele visite as obras do Hospital Público. Precisamos colocar o Hospital para funcionar, haja vista que, segundo informações, a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) é procurada por, em média, 390 cidadãos por dia. Destes, apenas um é internado no Hospital São João de Deus. No último relato que tive, o HSJD recebeu apenas 22 pacientes da UPA num mês.

3) HÁ UMA GRANDE POLÊMICA RECENTE EM RELAÇÃO AO CONTRATO DA CIDADE FIRMADO COM A COPASA. QUAL A SUA POSIÇÃO SOBRE ESTE TEMA?

Pode até parecer questão pessoal, mas sempre fui um vereador contra a COPASA. Há vários temas discutidos com a empresa e que eu não concordo. Por exemplo, a Copasajá trocou hidrômetros de algumas residências, e isso resultou no aumento de quase 100% na conta de água. Quem fez a aferição do hidrômetro é uma empresa terceirizada. É o mesmo que colocar uma raposa para tomar conta do galinheiro. Acho que a COPASA é covarde com os divinopolitanos, uma vez que o dinheiro arrecadado por ela em Divinópolis não é revertido em obras para a nossa cidade. Se eu estivesse no papel do ex-prefeito Vladimir Azevedo, eu teria rompido o contrato com eles após o não cumprimento do prazo para a conclusão da primeira etapa das obras da ETE (Estação de Tratamento de Esgoto) Itapecerica. Não merecem o meu respeito e nem os de todos os divinopolitanos.

4) APÓS AS INDICAÇÕES PARA AS COMISSÕES DA CÂMARA, COMO VEM SENDO O ANDAMENTO DOS TRABALHOS?

As comissões permanentes da Câmara possuem funções importantes dentro da casa, que é dar pareceres aos projetos apontados pelo Poder Legislativo. A partir do momento em que o projeto é protocolado, as comissões avaliam sua legalidade e constitucionalidade. Elas têm cumprido seu papel com excelência de acordo com o regimento interno.

5) COMO A SUA EXPERIÊNCIA, TANTO NO MERCADO DE TRABALHO QUANTO COMO CIDADÃO, PODE AJUDAR NOS TRABALHOS DA CÂMARA EM PROL DO MUNICÍPIO?

Completarei 17 anos de política ao final deste ano. Tenho muito o que contribuir aos que chegaram para essa nova legislatura, apresentando-lhes o regimento interno, a lei orgânica do município, e que todos conheçam, cada vez mais, sobre política pública. É uma troca de experiências que ajudará, e muito, a cidade como um todo. Minha intenção é somar com os novos vereadores, que também me ensinarão diversas coisas, para que o trabalho flua gradativamente. Quero ensinar e aprender.

6) VOCÊ SENTE A POPULAÇÃO MAIS PRÓXIMA DA CÂMARA DOS VEREADORES NESTE INÍCIO DE MANDATO?

Procuramos abrir a Câmara num tempo maior à comunidade. Temos o Centro de Atendimento ao Cidadão, criamos a Escola do Legislativo, e buscamos aprimorar e levar a Câmara ao povo. Começaremos, em breve, as reuniões comunitárias, tendo o objetivo de debates, de perto, as necessidades de cada região com os moradores destes locais. Isso já foi feito há alguns anos e paralisado, e queremos retomar esse projeto. Além disso, aumentamos o tempo de funcionamento da Câmara Municipal, que antes era entre 12h e 18h, e agora funciona em tempo integral, a partir das 8h. É preciso fazer com que o cidadão sinta-se mais próximo da Casa do Povo, como é conhecida.

7) QUAIS OS PRINCIPAIS DESAFIOS QUE OS VEREADORES TERÃO NESTE MANDATO?

O maior desafio é conscientizar o cidadão de que o Poder Legislativo é o órgão que fiscaliza e denuncia o que pode estar errado. Já o Executivo, é aquele que faz, que tem o poder de realizar obras. Os dois poderes são mantidos e movidos com o dinheiro do povo, através de taxas e impostos. É direito do cidadão ditar as regras, cobrar e ficar a par sobre tudo que acontece, mas sabendo das funções de cada um.

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.