terça-feira, 23 de Maio de 2017 11:21h Daniel Michelini

Entrevista com Kaboja

“Confio plenamente na entrega dessas obras [da Copasa]. A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Itapecerica será a maior da região e algo histórico para o município”

Um dos vereadores mais experientes da nova legislatura, Rodrigo Kaboja (PSD) é o 14º entrevistado de hoje da série de entrevistas do Jornal Gazeta do Oeste. Em seu quarto mandato, Kaboja afirma ser contra os moldes das audiências públicas realizadas até aqui pela Câmara Municipal. Além disso, enxerga a renovação (12 novos eleitos) como algo extremamente positivo para a cidade.

1) HOUVE UMA GRANDE RENOVAÇÃO QUANTO AOS CANDIDATOS ELEITOS NA ÚLTIMA ELEIÇÃO. COMO VOCÊ VIU ESTE RESULTADO?

A renovação na politica é sempre importante. Quando ligamos a televisão ou lemos o jornal, só vemos escândalos, enquanto a classe trabalhadora sofre por conta disso. Sempre defendi os mais necessitados e vejo a dificuldade que elas estão passando hoje, com desemprego e até falta de alimentos. Essa renovação foi ótima, mas os novos vereadores precisam de mais cautela, pois têm apresentado alguns projetos, na ânsia de mostrar serviço, que não são de nossa alçada, e isso pode gerar uma falsa expectativa na população.

2) NESSES PRIMEIROS MESES DE TRABALHO, QUAIS OS PRINCIPAIS PONTOS QUE VOCÊ DESTACA E QUE DEVEM SER TRABALHADOS FUTURAMENTE NA CIDADE?

Minhas maiores preocupações são com as áreas de segurança pública e saúde. Hoje, quem não possui um plano de saúde está morto. Chegamos na UPA, que é de urgência e emergência, e não conseguimos leitos. Temos o Hospital São João de Deus como referência na região, mas que vem sofrendo com más gestões há anos. Agora, acredito que conseguirão reerguê-lo. Quanto a segurança, a população está apavorada. Há medo de sair às ruas durante a noite, aproveitar os bares e festas. Precisamos melhorar, e muito, essa área.

3) HÁ UMA GRANDE POLÊMICA RECENTE EM RELAÇÃO AO CONTRATO DA CIDADE FIRMADO COM A COPASA. QUAL A SUA POSIÇÃO SOBRE ESTE TEMA?

Confio plenamente na entrega dessas obras. A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) do Rio Itapecerica será a maior da região e algo histórico para o município. Divinópolis subsidia todas as pequenas cidades que são atendidas pela Copasa. É de interesse de milhares depessoas essas obras. Deveria ser debatido o valor cobrado na taxa, e não levar para o lado politiqueiro. Quero participar de audiências propositivas, e não de cunho político e interesse pessoal.

4) APÓS AS INDICAÇÕES PARA AS COMISSÕES DA CÂMARA, COMO VEM SENDO O ANDAMENTO DOS TRABALHOS?

Vejo que as vaidades estão prevalecendo, e isso é muito ruim para o setor legislativo e, principalmente, para a população. Precisamos trabalhar em conjunto em prol de uma cidade melhor. Entretanto, acredito que, daqui para frente, as comissões têm tudo para fluir melhor seus trabalhos, uma vez que as pastas mais importantes são presididas por vereadores veteranos e qualificados, com conhecimentos de todas as leis.

5) COMO A SUA EXPERIÊNCIA, TANTO NO MERCADO DE TRABALHO QUANTO COMO CIDADÃO, PODE AJUDAR NOS TRABALHOS DA CÂMARA EM PROL DO MUNICÍPIO?

Temos que ter respeito com cada vereador e trabalhar em harmonia. Tenho certeza que essa nova safra de políticos da nossa cidade fará história, pois vejo os os vereadores com muita determinação em ajudar a cidade. Mas temos que ter cuidado para não desgastar essa legislatura como foram as outras, através de falsas promessas. Acredito que posso ajudar muito nesses conselhos.

6) VOCÊ SENTE A POPULAÇÃO MAIS PRÓXIMA DA CÂMARA DOS VEREADORES NESTE INÍCIO DE MANDATO?

As pessoas estão muito mais atentas nos dias de hoje. Com as redes sociais, a comunicação se tornou mais avançada e rápida. Quem não for transparente e respeitoso com todos, terá dificuldades para seguir o seu trabalho dentro da Câmara. Foram feitas audiências públicas que trouxeram as pessoas para dentro casa. Por um lado, é muito bom ver que o interesse pela política tem aumentado. Por outro, vejo essas audiências públicas totalmente oportunistas. Não participei de nenhuma e nem participarei dentro dos moldes que são realizadas. Estão servindo como palanque político. Um exemplo: todos os vereadores criticaram, com razão, em audiências, o valor da passagem de ônibus. Hoje, não vemos ninguém tocando no assunto Trancid.

7) QUAIS OS PRINCIPAIS DESAFIOS QUE OS VEREADORES TERÃO NESTE MANDATO?

Temos dois desafios principais: fortalecer a união dentro da casa e conscientizar a população sobre o papel do vereador. Não podemos realizar obras, mas servimos como a principal ponte entre população e poder executivo. O vereador foi eleito para servir, e é isso que temos que fazer: ouvir os moradores e buscar soluções. Não à toa, estou aqui há quatro mandatos.

© 2009-2020. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.